• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Cabo eleitoral » Empacados nas pesquisas, candidatos do PT contam com ajuda de Lula Ontem, ex-presidente deu uma mãozinha a Alexandre Padilha na corrida pelo governo de São Paulo

João Valadares - Correio Braziliense

Publicação: 29/08/2014 07:08 Atualização:

Lula cumprimenta Padilha, em São José dos Campos: tentativa de 'salvar' a candidatura petista. Foto: Rodrigo Petterson/Analítica (Rodrigo Petterson/Analítica)
Lula cumprimenta Padilha, em São José dos Campos: tentativa de 'salvar' a candidatura petista. Foto: Rodrigo Petterson/Analítica
Mesmo com o apoio efetivo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, maior estrela do PT, o candidato petista ao governo de São Paulo, Alexandre Padilha, não consegue crescer. Continua encolhido nos 5% de acordo com pesquisas recentes de intenções de voto. Na tarde de ontem, Lula tentou mais uma vez dar um “empurrãozinho” no candidato. O local escolhido estrategicamente foi a cidade de São José dos Campos, Vale do Paraíba, berço político do governador e candidato à reeleição pelo PSDB, Geraldo Alckmin, que lidera com folga. Sempre acionado para “salvar” a eleição nos estados, a missão de Lula torna-se cada vez mais difícil. O PT enfrenta grandes dificuldades para eleger Gleisi Hoffmann, no Paraná; Rui Costa, na Bahia; Tarso Genro, no Rio Grande do Sul; e Lindbergh Farias, no Rio de Janeiro.

O evento de ontem em São José dos Campos foi encarado pela coordenação da campanha petista como o principal esforço desprendido para que Padilha comece a crescer. O partido distribuiu convites e utilizou carros de som para convocar a militância durante toda a semana. Atrás de Alckmin e do candidato do PMDB, Paulo Skaf, Padilha aproveitou o comício para alfinetar os institutos de pesquisa. “Eu confio em vocês. Vocês vão provar mais uma vez que a pesquisa que vale é quando o povo chega na urna e aperta o 13”, discursou. O candidato do PT se referiu a Lula como “a maior liderança popular que esse país já construiu”.

Último a falar, o ex-presidente fustigou os tucanos. “Eu sei que o Padilha, em quatro anos, vai fazer com que os paulistas nunca mais queiram um tucano governando São Paulo”, disse Lula. Em seguida, falou sobre a diferença entre o PT e o PSDB. “A diferença entre nós e eles é que eles tinham um tapete para jogar a sujeira debaixo. E, nós do PT, tiramos esse tapete da sala”, declarou. No fim do discurso, aproveitou para fazer, pela primeira vez, ataques velados à candidata do PSB à Presidência da República, Marina Silva. Disse não ser possível acreditar em alguém que nega a política. “Se alguém quiser votar em alguém que não é político, em primeiro lugar: não acredite quando o cara faz apologia da não política. Não acredite porque não é possível alguém governar fora da política”, disse Lula.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.