• (1) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Eleições 2014 » Mesmo com a ausência de Milton Coelho, PSB tenta mostrar unidade em ato em prol de Marina

Tércio Amaral

Rosália Rangel

Publicação: 23/08/2014 22:54 Atualização:

Entre os convidados do primeiro evento fechado em prol da candidatura de Marina Silva à Presidência da República nestas eleições, o novo coordenador de Mobilização e Articulação Política da campanha Joilson Cardoso representou o presidente interino do PSB, Roberto Amaral. O socialista substituiu o ex-vice-prefeito do Recife e ex-presidente do PSB em Pernambuco Milton Coelho, que não foi ao evento e deixou o cargo após os primeiros atritos na legenda após a morte do ex-governador e presidenciável Eduardo Campos (PSB).

 

Apesar da ausência, o evento contou com a presença maciça das lideranças do partido no estado. Muitos candidatos da chapa proporcional da Frente Popular, entre eles o senador Jarbas Vasconcelos (PMDB), também prestigiaram o encontro que aconteceu no início da noite deste sábado (23) no Clube Internacional. O prefeito do Recife, Geraldo Julio (PSB), foi o primeiro a discursar e fez questão de reforçar que o partido está unido em torno de Paulo Câmara e Marina Silva, como desejaria Eduardo Campos.

“Eduardo nos ensinou que as coisas não ficam pela metade. Estamos oferecendo em Pernambuco um escolhido por Eduardo para nos liderar”, enfatizou. O governador João Lyra Neto, também do PSB, reforçou o tom da unidade. “O PSB não poderia ser mais feliz na escolha. Ele representa os ideais do nosso partido em Pernambuco”, disse se referindo a Paulo Câmara. Nos bastidores, surgiu a informação de que, com a morte de Eduardo Campos, o PSB poderia mudar de candidato, mas o movimento não ganhou aderência e foi abafado.

A candidata à Presidência da República Marina Silva, em seu primeiro discurso, lembrou de sua trajetória, entre elas, as perdas de Chico Mendes e de Eduardo Campos, sendo esta última, a mais forte. A socialista, no entanto, defendeu o legado de Campos e disse que o mesmo não poderia ser tratado como uma mera herança. “A herança se divide. O legado, quando mais a gente distribui, ele cresce. O nosso compromisso é dar continuidade ao que ele deixou”, disse.

Esta matéria tem: (1) comentários

Autor: Marcia Camargo
Marina disse que vai governar com Serra e Jarbas Vasconcellos, o pior de todos os piores!!! E com Simon e Suplicy - isso duvido, pq jamais eles aceitariam governar com Serra e Jarbas Vasconcellos. Vai governar com quem? Com Neca Itaú Setubal, que diz que os operadores de mercado vão fixar os juros, c | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.