• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Ex-presidente do STF » Eleitor histórico do PT, Joaquim Barbosa deve manter neutralidade na eleição presidencial

Publicação: 19/08/2014 10:35 Atualização:

O ex-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, voltará ao Brasil em setembro e deve permanecer “neutro” nestas eleições presidenciais. Ao contrário de disputas anteriores, quando anunciou voto em candidatos do PT, o ex-ministro não deve declarar suas preferências partidárias. As informações são da coluna de Mônica Bergamo no jornal Folha de S. Paulo desta terça-feira (19).

Apesar de ser conhecido pelo julgamento implacável no processo do mensalão - escândalo de compra de votos no Congresso durante a gestão do ex-presidente Lula -, Joaquim revelou à imprensa que votou em 2002 no PT e, já como como relator do processo, em 2006, votou no então candidato à reeleição Luiz Inácio Lula da Silva.

A preferência pelo PT continuou na eleição seguinte. Em 2010, Barbosa também apostou nos petistas. Votou na candidata e ex-ministra Dilma Rousseff, que disputa à reeleição neste ano. “Eu não me arrependo dos votos, não. As mudanças e avanços no Brasil nos últimos dez anos são inegáveis. Em 2010, votei na Dilma”, disse numa entrevista em 2010.

De vota ao país, Joaquim Barbosa fará um ciclo de palestras remuneradas em empresas públicas e privadas. A primeira delas será no dia 16 deste mês. Ele participará de um congresso internacional de shoppings centers. Barbosa deve proferir outras quatro na sequência, em Santa Catarina, agendadas pela ATA Palestras. O ex-ministro, que se tornou um um dos maiores ícones da história do Poder Judiciário no Brasil, pretende, no futuro, trabalhar na área jurídica elaborando pareceres.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.