• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Economista » Eduardo Gianetti vê crescimento médio no governo Dilma em 1,8%

AE

Publicação: 18/08/2014 10:52 Atualização:

O economista Eduardo Giannetti da Fonseca, um dos assessores econômicos de Marina Silva, afirmou que o Brasil passa por uma "tremenda reversão de expectativas" a partir de 2011, com o governo Dilma Rousseff. Ele destacou que de 2003 a 2010, o Brasil cresceu a média de 4%, mas na gestão de Dilma "deverá ser uma média de 1,8%, a mais baixa desde Collor e Floriano Peixoto".

Na avaliação do economista, a economia do Brasil vive uma estagflação, com a inflação "teimosamente no teto" de 6,5% e que é "artificialmente represada." Além disso, ele destacou que o déficit de transações correntes ao redor de 3,5% do PIB é elevado para um país que cresce muito pouco e tem um patamar de preços alto. "Isso é uma situação pouco usual", destacou. Segundo ele, enquanto os investidores internacionais estiverem financiando a economia doméstica, não há problemas. Contudo, disse que se esse quadro for revertido, o Brasil pode enfrentar uma crise de contas externas. "Estamos com câmbio sobrevalorizado, o que prejudica setores com aspiração de exportar", destacou.

Giannetti disse também que apesar de o País viver um quadro de estagflação, com piora sensível da gestão da economia nos últimos quatro anos, é possível que esse quadro seja revertido pelo próximo governo em 2015.

"A situação é ruim, mas não é desesperadora. Temos plena condição de resolver em 2015. Isso deve ocorrer com a correção das políticas macro e micro com um choque de credibilidade de um novo governo", ponderou. "Precisamos de correção estrutural. O Estado não cabe mais no PIB brasileiro", ponderou. Ele ilustrou que em 1988, a carga tributária estava entre 24 e 25% do PIB, o setor público investia 3% do produto interno bruto. "Hoje a carga tributária é de 36% do PIB, há um déficit nominal de 3,5% do PIB", destacou, ressaltando que o patamar de investimentos do Poder Executivo está em 2,5% do PIB.

Giannetti fez os comentários ao participar de evento promovido pela Empiricus Consultoria & Negócios.

Empiricus

O ministro Admar Gonzaga, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), concedeu uma liminar na qual determinou que a Empiricus Consultoria & Negócios pare de veicular anúncios pagos com referências aos candidatos a presidente da República. Gonzaga também decidiu que o site Google retire do ar publicidades em que a Empiricus prevê instabilidades econômicas caso a presidente Dilma Rousseff conquiste um segundo mandato e valorização de ações caso o vencedor seja o candidato a presidência pelo PSDB, senador Aécio Neves.

A Empiricus, uma consultoria que, de acordo com seu site, elabora "recomendações amparadas em estudos financeiros e econômicos", postou anúncios com títulos "Como se Proteger da Dilma: Saiba como proteger o seu patrimônio em caso de Reeleição da Dilma, já" e "E se o Aécio Neves Ganhar? Que ações devem subir se o Aécio Ganhar a eleição? Descubra Aqui, já".

A equipe jurídica da campanha pela reeleição da presidente Dilma entrou no dia 25 de julho com uma representação no TSE contra a Empiricus, Aécio e o Google, pois avaliou que se trata de veiculação indevida de propaganda eleitoral paga na internet.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.