• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Mito » Eduardo Campos recebe em funeral homenagem de 'um guerreiro' Na maior e mais intensa homenagem que Pernambuco já viu, o político foi enterrado depois de cortejo aberto, missa campal e fogos de artifício

João Valadares - Correio Braziliense

Denise Rothenburg

Publicação: 18/08/2014 08:14 Atualização: 18/08/2014 08:22

A viúva Renata Campos manteve-se serena e apoiou os filhos José, Maria Eduarda, João e Pedro na despedida do ex-governador. Foto: Fernano Frazão/ABR (Fernano Frazão/ABR)
A viúva Renata Campos manteve-se serena e apoiou os filhos José, Maria Eduarda, João e Pedro na despedida do ex-governador. Foto: Fernano Frazão/ABR

Com o povo consternado nas ruas, Pernambuco enterrou ontem o seu maior líder. Mais do que isso. Em dia histórico, que parecia não acabar, os pernambucanos viram nascer um novo mito. Eduardo Henrique Accioly Campos, de 49 anos, pai de cinco filhos e dono de um estilo admirado até por adversários, recebeu a maior e mais intensa homenagem que o estado já viu. Mais de 150 mil pessoas foram às ruas. O senador Cristovam Buarque (PDT-DF) foi quem melhor resumiu o tamanho da dor. “Só vi algo assim na morte de Getúlio (Vargas) e de Tancredo Neves.”

De madrugada, uma multidão esperou acordada nas esquinas a passagem do carro do Corpo de Bombeiros que conduzia o caixão até o Palácio do Campo das Princesas. Ao choro, misturou-se o grito de “Eduardo, guerreiro do povo brasileiro”, repetido exaustivamente até as 18h37, quando o caixão de Campos desceu à sepultura, ao lado do jazigo do avô, Miguel Arraes de Alencar.

A reverência virou ato político. A imagem de Eduardo serviu de imã da comoção para potencializar eleitoralmente Marina Silva e o candidato ao governo de Pernambuco, Paulo Câmara. Panfletos eram distribuídos. Ao lado de Renata Campos e dos filhos, os dois acenavam para a multidão. “Agora é tudo ou nada. Marina e Renata”, gritava o povo. O PSB espalhou estrategicamente carros de som durante o trajeto do cortejo que levou o caixão de Eduardo Campos do Palácio do Campo das Princesas até o Cemitério de Santo Amaro. Camisas com a frase “não vamos desistir do Brasil” foram distribuídas. Candidatos proporcionais tiravam “selfies” ao lado da viúva e do caixão.

A presidente Dilma Rousseff, junto com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, chegou ao velório às 10h. Ela recebeu vaias. A maior estrela petista, que conseguiu preservar a relação pessoal com Eduardo Campos mesmo em campos opostos, segurou Miguel, filho mais novo do pessebista, nos braços. Confortou a viúva de Campos e os filhos. Comentou reservadamente com amigos que estava arrasado por a tragédia ocorrer justamente no momento em que as circunstâncias políticas não permitiam que os dois estivessem próximos.

Após a missa, celebrada pelo arcebispo de Olinda e Recife, dom Fernando Saburido, os dois foram embora. No caminho, Lula abraçou o vice de Aécio Neves, senador Aloysio Nunes Ferreira. Parou para tirar fotos com funcionários do palácio e entrou no carro com a presidente.

Renata Campos permaneceu durante quase todo tempo ao lado do caixão. Uma foto de Eduardo Campos sorrindo era contemplada por ela em alguns momentos. Os filhos se abraçavam e repetiam os gritos ecoados pela multidão. Pareciam fortes. Aécio Neves, que trocou cumprimentos com Lula e Dilma, ressaltou a solidez da família Campos. “É impressionante. Não me peçam para falar de política. Quando liguei para Renata, no dia do acidente, ele me disse que Eduardo era alegria e força”, informou. Às 16h30, o cortejo com os restos mortais de Campos deixou o Palácio do Campo das Princesas. A multidão se espremia para acompanhar tudo de perto. Após as autoridades políticas nacionais deixarem o local, Eduardo Campos recebeu uma homenagem genuinamente pernambucana. Os compositores Alceu Valença, Maciel Melo e Petrúcio Amorim cantaram músicas de que o ex-governador de Pernambuco gostava.

Pouco antes das 18h, o cortejo chegou ao cemitério. Lentamente, como se o povo empurrasse o caminhão do Corpo de Bombeiros, o caixão foi levado no percurso de dois quilômetros entre o Palácio do Campo das Princesas e o Cemitério Santo Amaro.

Lá, o caixão foi colocado num carro menor. O filho José, de 11 anos, com chapéu de vaqueiro, sentado na frente, apontava a direção para o motorista. Flores e lenços foram atirados, assim como o tradicional chapéu de palha usado pelo avô de Campos e ex-governador do estado, Miguel Arraes. Após uma queima de fogos que durou 18 minutos, Eduardo Campos foi sepultado, ao lado do túmulo do avô. A sepultura é simples, sem luxo, rodeada apenas de flores e placa de mármore com a identificação do líder.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.