• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Mestre de cerimônia » Dilma transmite entrega de casas ao vivo para sete estados

AE

Publicação: 04/07/2014 08:01 Atualização:

No penúltimo dia em que candidatos podem participar de inaugurações, a presidente Dilma Rousseff bancou a mestre de cerimônias de uma entrega coletiva de 5.460 unidades do programa Minha Casa Minha Vida em 11 localidades espalhadas pelo País. Ao custo de R$ 2 milhões, o evento desta quinta-feira, 03, teve videoconferência entre a candidata à reeleição, que estava em um bairro periférico de Brasília, e os ministros enviados a municípios de sete diferentes Estados.

Todos os ministros viajaram em avião da Força Aérea, segundo o Palácio do Planalto. A Caixa Econômica Federal (CEF), responsável pelas obras, pagou R$ 1 milhão para montar os palanques nas 11 cidades. A transmissão das imagens de Dilma e dos ministros, realizada pela Empresa Brasil de Comunicação (EBC), custou mais R$ 1 milhão, de acordo com o governo, A montagem dos palanques inclui preparação do palco com cobertura de lona, banheiros químicos, grades, iluminação, seguranças e distribuição de água para os presentes.

Desde janeiro, Dilma participou de 11 entregas de unidades do Minha Casa a famílias beneficiadas. Nenhum outro teve o mesmo tipo de produção ou mobilizou tantos ministros nessa quantidade de lugares. A presidente, candidata à reeleição, aproveitou o evento para confirmar a terceira fase do programa habitacional e fixar como meta “possível” a entrega de 3 milhões de casas a partir de 2015, quando terá início um novo mandato presidencial.

Depois de exaltar o fato de o programa ser “o maior programa habitacional da história do Brasil” e destacar que a casa própria é “um sonho que nem sempre é fácil de ser realizado”, Dilma fez questão de ressaltar a qualidade dos imóveis que estão sendo entregues, com azulejos nas paredes dos banheiros e cozinha e cerâmica no chão.

Essa deixa estimulou uma disputa entre a presidente e os ministros sobre as “vantagens” de cada um dos conjuntos habitacionais. “Este é um parque diferente”, disse Dilma, referindo-se ao Parque Paranoá, na periferia de Brasília, de onde comandava a programação do dia.

“Aqui em Santo André, os apartamentos têm varanda”, afirmou a ministra do Planejamento, Miriam Belchior, do palanque montado em seu berço político. “Eu quero fazer uma brincadeira com a ministra Miriam. Aqui no Sul não tem varanda, mas todos os conjuntos têm churrasqueira pro churrasquinho do final de semana”, disse a titular dos Direitos Humanos, Ideli Salvatti, em Joinville, maior cidade de seu Estado.

O jogral prosseguiu com a ministra do Desenvolvimento Social, Tereza Campello, de Belford Roxo, na Baixada Fluminense. “Aqui não tem varanda, mas tem parquinho”, afirmou. O ministro dos Portos, César Borges, direto de Jequié (BA), sua cidade natal, completou: “A casa aqui é um verdadeiro jardim. Tem água, esgoto e ruas pavimentadas, com paisagismo”.

Auditório

À vontade na cerimônia, Dilma chamou ministros, prefeitos e beneficiários do Minha Casa como se estivesse em um programa de auditório. Tanto a presidente quanto seus colegas de transmissão vincularam a entrega das habitações à Copa.

“Parabéns pra Bruna, pra família da Bruna, para todas as famílias de Santo André. É muito bom começar uma vida nova pendurando a bandeira do Brasil na sacada pra comemorar a Copa do Mundo”, disse Dilma, referindo-se à família que havia recebido as chaves de uma casa no ABC Paulista. Em seguida, ouviu por diversas vezes os gritos de “1, 2, 3, Dilma Outra Vez”.

A presidente só não conseguiu ouvir o titular da Saúde, Arthur Chioro, enviado a São Vicente (SP). A comunicação entre o ministro e Dilma falhou, e foi exibida uma gravação da petista. O problema técnico enganou até a equipe do Blog do Planalto, que em um post sobre o evento deixou de citar São Vicente entre as cidades beneficiadas.

Papéis

Com Dilma no papel principal da solenidade, quem assumiu o embate com a oposição foi o presidente da Caixa, Jorge Hereda. Ele rebateu a proposta do candidato do PSB ao Planalto, Eduardo Campos, que promete construir 4 milhões de casas se for eleito. “Na época das eleições, simplesmente falar um número é fácil”, disse Hereda. Para ele, a construção de 3 milhões de unidades no Minha Casa 3 “não é uma meta da boca para fora, que responda a um debate eleitoral”. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.