• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Fora da lista de irregularidades » Nome de Dilma é retirado da lista de responsáveis pela compra da refinaria de Pasadena

Agência O Globo

Publicação: 03/07/2014 12:06 Atualização:

nome da presidente Dilma Rousseff foi retirado da lista de responsáveis pelas supostas irregularidades na compra da refinaria de Pasadena, no Texas, em parecer recente da área técnica do Tribunal de Contas da União (TCU). A retirada, porém, não é conclusiva, uma vez que o ministro relator, José Jorge, poderá se basear nos pareceres anteriores para elaborar seu voto sobre o caso. Além de Dilma, saíram dos pedidos de responsabilização os nomes de 14 pessoas, como o ministro da Fazenda, Guido Mantega, e o presidente do BNDES, Luciano Coutinho. As divergências entre os técnicos se estendem ao montante a ser ressarcido aos cofres da Petrobras: o valor caiu de US$ 873,1 milhões para US$ 620,1 milhões.

Dilma, Mantega, Coutinho e os demais integrantes do Conselho de Administração da Petrobras apareciam entre os responsáveis investigados no parecer do auditor federal Alberto Henriques de Araújo de 4 de junho. Araújo sustentava que eles deveriam ser ouvidos em audiência para explicar duas supostas irregularidades: "exercício inadequado do dever de diligência", na reunião que autorizou a compra, e "ato de gestão ilegítimo e antieconômico", ao postergar a compra da segunda parte da refinaria, aguardando uma decisão judicial definitiva. Dilma era ministra da Casa Civil e presidente do conselho. Mantega é o atual presidente, e Coutinho, conselheiro.

O diretor responsável pelo processo, Bruno Lima Caldeira, porém, mudou o entendimento, em parecer de 18 de junho. Ele não viu culpa de Dilma e dos conselheiros e retirou o grupo do rol de responsáveis. Dos 23 dirigentes e conselheiros da Petrobras constantes na lista anterior, restaram apenas nove. No mesmo dia, o secretário de Controle Externo de Estatais do TCU, Osvaldo Vicente Perrout, referendou a proposta do diretor. O processo foi aberto em fevereiro de 2013 para apurar as circunstâncias da compra, que teve custo de aquisição superior a US$ 1,25 bilhão.

Os autos estavam na fase técnica, tramitando na Secretaria de Controle Externo (Secex) de Estatais. Agora, caberá a José Jorge decidir quais responsáveis convocará para audiências e quais serão citados, para então elaborar o voto e submetê-lo ao plenário. É o colegiado que decidirá quem será responsabilizado.

O parecer de Bruno Caldeira aponta a necessidade de ressarcimento de US$ 620,1 milhões aos cofres da Petrobras por conta do negócio, caso os diretores responsáveis não apresentem alegações plausíveis. Devem ser citados para explicar os prejuízos, na sua visão, o ex-presidente da Petrobras José Sergio Gabrielli; o ex-diretor da Área Internacional Nestor Cerveró; o ex-diretor de Abastecimento Paulo Roberto Costa; os outros integrantes da diretoria executiva na ocasião da compra, Almir Guilherme Barbassa, Renato de Souza Duque, Guilherme de Oliveira Estrella e Ildo Luis Sauer; e dois ex-funcionários, Luís Carlos Moreira da Silva, ex-gerente executivo da Área Internacional de Desenvolvimento de Negócios, e Gustavo Tardin Barbosa, ex-chefe do escritório financeiro da Petrobras America, subsidiária responsável pelo negócio no Texas.

O grupo deve se explicar ou ressarcir a estatal em US$ 580,4 milhões pelo "prejuízo causado ao patrimônio da Petrobras em decorrência da celebração de contratos junto à Astra", companhia belga que vendeu a refinaria. Outro prejuízo apontado foi no valor de US$ 39,7 milhões. A área técnica do TCU pede a citação do então chefe do escritório financeiro da Petrobras America. A Petrobras informou, por meio da assessoria de imprensa, que não vai comentar porque "tratam-se de relatórios que ainda estão em análise pelo TCU".

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.