• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

São Paulo » Candidatura de Serra é "inacreditável", diz Feldman

Agência Estado

Publicação: 01/07/2014 14:49 Atualização:

O deputado federal pelo PSB de São Paulo, do grupo da Rede de Marina Silva, Walter Feldman, avaliou como "inacreditável" a decisão tomada de madrugada pelo PSDB de lançar a candidatura de José Serra ao Senado. "Estava tudo caminhando para um lado, de repente vai para outro. A aliança de Serra com José Aníbal é algo inacreditável", disse Feldman.

Segundo Feldman, tanto a Rede, abrigada no PSB - que terá o vice Márcio França na chapa do governador Geraldo Alckmin - como outros partidos coligados ao PSDB em São Paulo foram pegos de surpresa pela decisão. "Não se imaginava (que Serra poderia sair ao Senado), foi uma coisa estranha, na linha do vale tudo."

No início da madrugada, o PSDB de São Paulo decidiu que o ex-governador José Serra seria o candidato da coligação ao Senado, com o deputado José Aníbal, que também postulava a vaga, como primeiro suplente. Nos últimos anos, Serra e Aníbal viveram divergências internas no PSDB e chegaram a trocar farpas quando Serra foi o indicado do partido para disputar a Prefeitura de São Paulo em 2012.

Ainda de acordo com Feldman, os partidos coligados esperavam que a reunião do diretório paulista do PSDB na noite desta segunda-feira, 30, fosse para anunciar a liberação de candidaturas independentes ao Senado. Apoiados em uma decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) de 2010, que ainda precisaria ser revalidada caso a caso no pleito deste ano, partidos coligados para as disputas estaduais majoritárias poderiam lançar independentemente, cada um, seus nomes para disputar a vaga de senador.

Feldman disse ter conversado com França na manhã desta terça-feira, 1º, que também demonstrou surpresa com a decisão do PSDB. Ele avalia, contudo, que a articulação dentro da chapa de Alckmin já estava sendo organizada há algum tempo. "Seguramente o governador estava articulando", disse Feldman.

Com relação a um possível prejuízo à estratégia da Rede em São Paulo para a campanha estadual e nacional, Feldman minimizou. Ele admitiu, no entanto, que houve uma perda para a Rede ao não poder sair com um nome para o Senado, o que seria interessante dada a característica independente, fora do círculo de apoio a Alckmin, e serviria de palanque para Marina fazer campanha no maior colégio eleitoral do País. "(A candidatura ao Senado) seria uma estrutura boa de apoio à campanha nacional da Rede, mas não uma estrutura fundamental. A experiência da Marina de 2010 mostra que é perfeitamente possível fazer campanha sem a ideia da velha política de que se precisa ter palanque e tempo. Não faremos amputação da campanha em São Paulo por causa disso."

Vice na chapa de Eduardo Campos (PSB) à Presidência, Marina Silva desaprova a aliança do PSB-SP com Alckmin. Em diversas ocasiões, ela repetiu a independência dela e da Rede de se posicionarem de forma diferente do PSB nos Estados e que não fará campanha ao lado dos tucanos.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.