• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Poder Judiciário » STF aguarda Joaquim Barbosa para decidir composição de bancadas da Câmara O Supremo aguarda a presença do ministro Joaquim Barbosa na sessão de terça-feira para decidir se mudança no número de deputados federais de 13 estados vale para o pleito de outubro

Maria Clara Prates -

Publicação: 26/06/2014 09:36 Atualização:

"É impressionante a dificuldade do Congresso em chegar a um consenso básico. (...) No período, estados ganharam até 2 milhões de habitantes sem reflexo em suas bancadas" - Gilmar Mendes (D), ministro do STF. Foto: José Cruz/ABR

O plenário do Supremo Tribunal Federal (SRF) decidiu, nessa quarta-feira, esperar pelo voto do presidente da Casa, ministro Joaquim Barbosa, para decidir qual será a composição das bancadas, por estado, já nas eleições de outubro. Sete dos 10 ministros participantes da sessão mantiveram seu voto pela inconstitucionalidade da Lei Complementar 78/1993 – que delegou à Justiça Eleitoral o direito de estabelecer as representações estaduais na Câmara. Para evitar um vácuo jurídico, no entanto, eles defenderam a manutenção da atual resolução do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que, por consequência, também fere a Constituição. A medida da Justiça Eleitoral, com base no último censo populacional, redimencionou as bancadas, reduzindo o número de deputados em oito estados e aumentando em cinco, entre eles Minas, que ficaria com mais duas vagas.

Os ministros presentes só não bateram o martelo ontem sobre o tema porque não foi possível obter os oito votos necessários para se estabelecer o que se chama “modulação”, que define qual deve ser o critério transitório quando uma lei é contrária à norma constitucional. A análise final das cinco ações diretas de inconstitucionalidade  (Adins) está marcada para a próxima terça-feira, com a participação de Joaquim Barbosa, que já havia comunicado sua ausência na sessão de ontem. Como o presidente está às vésperas de aposentar, conforme ele próprio anunciou, o ministro Marco Aurélio Mello não perdeu a oportunidade de ironizar o colega: “Esperamos que ele não se aposente antes disso”.

‘VÁCUO JURÍDICO’
Mais uma vez, a tese da ministra Rosa Weber, relatora de uma das ações, foi a grande vencedora. Ela obteve apoio até mesmo de Gilmar Mendes, relator das demais Adins, do qual discordou na última sessão que tratou sobre o tema. Segundo a ministra, a manutenção da resolução do TSE, de abril do ano passado, é necessária para se evitar o “vácuo jurídico”, uma vez que a matéria teria que ser definida por meio de lei complementar a ser editada pelo Congresso. Alertou também que a Constituição determina que o cálculo das bancadas estaduais na Câmara leve em consideração o critério da proporcionalidade populacional em razão de censo e, no Brasil, a última alteração foi feita em 1986. “A representação atual reflete a Câmara dos Deputados de 1986, em razão da ausência de uma lei complementar”, disse Rosa Weber.

A relatora contou com o apoio de Gilmar Mendes, que, no entanto, aproveitou a oportunidade para mais uma vez criticar a atuação do Congresso por ter se omitido na edição da lei complementar, apesar da realização de dois censos depois de 1993. Mendes defendeu que a Corte “emitisse orientação para que o Congresso supere a omissão” em relação à matéria. “É impressionante a dificuldade do Congresso em chegar a um consenso básico. Isso está gerando desproporcionalidade e desigualdade na representação, já que, no período, estados ganharam até 2 milhões de habitantes sem reflexo em suas bancadas”, disse o magistrado. Pensamento que foi corroborado pelo ministro Dias Toffolli, atual presidente do TSE.

CONFIANTE O grande derrotado da sessão foi o ministro Marco Aurélio, que defendeu que as representações estaduais sejam mantidas inalteradas, conforme estabelecido na eleição de 2010, já que a lei complementar foi julgada inconstitucional e, em consequência, a resolução da Justiça Eleitoral. “Eu não vejo vácuo jurídico. Acho que devem ser preservadas as bancadas até a edição pelo Congresso de nova legislação. Ele ainda ironizou a preocupação dos colegas: “Eu estou confiante que teremos eleições em 2014”, numa clara referência ao movimento “Não vai ter Copa”. O ministro dissidente foi acompanhado pelos colegas Teori Zavascki e Luiz Fux.

 

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.