• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Justiça » "Estou de saída, não estou nem aí", diz Barbosa sobre cotas no Judiciário

Agência Brasil

Publicação: 16/06/2014 22:45 Atualização:

“Não sei e estou de saída. Não estou nem aí”. Estas foram as palavras do  presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), Joaquim Barbosa,  em resposta a questionamento de jornalistas sobre os dados do Censo do Judiciário, que mostrou que apenas 1,4% dos magistrados do país se declara preto.

Perguntado se o censo poderá levar à discussão sobre as cotas no Judiciário, Barbosa usou uma expressão em alemão para dizer que não está preocupado com o assunto porque irá se aposentar. “Não sei e estou de saída. Es ist mir ganz egal [expressão em alemão que significa 'para mim tanto faz']. Não estou nem aí”, afirmou, ao deixar a última sessão do conselho antes de sua aposentadoria, prevista para o fim do mês.

Questionado sobre o balanço de sua gestão e a última sessão no CNJ, Barbosa afirmou: “Eu tenho um balanço, procurem a assessoria. Balanço de ordem financeira, orçamentária, de ordem administrativa, disciplinar, tem todos esses dados. Agora, vocês nunca querem saber”.

O Censo do Poder Judiciário, apresentado por Barbosa em sua sessão à frente do CNJ, foi feito de forma voluntária por servidores e magistrados de todo o país. Os dados apontam o perfil médio da magistratura é o de homens brancos (84,5%), com média de idade de 45  anos, casado e com filhos.

De acordo com o levantamento, 14% dos magistrados se declararam pardos; 1,4% se declarou preto e apenas 0,1% se identificou como indígena. De acordo com a classificação racial usada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), somados, pretos e pardos formam o grupo de negros.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.