• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Em defesa de Dilma » Mercadante rebate críticas de Aécio

Agência Estado

Publicação: 15/06/2014 20:47 Atualização:

A presidente Dilma Rousseff escalou neste domingo (15), o ministro da Casa Civil, Aloizio Mercadante, para rebater as declarações do senador Aécio Neves (PSDB-MG) na convenção nesta sábado, 14, do partido que o oficializou como candidato a presidente da República. O tucano havia dito que "um tsunami vai varrer do governo federal aqueles que lá não têm se mostrado dignos e capazes de atender às demandas da população brasileira."

Mercadante disse que a única tsunami foi a que tivemos no passado (em referência ao governo do tucano Fernando Henrique Cardoso, entre 1995 e 2002), mas que como no Brasil não tem esse tipo de fenômeno, "não voltaremos a ter tsunami". Ele ainda fez questão de listar dados econômicos do governo Dilma e compará-los com a gestão de Fernando Henrique Cardoso. "Nas últimas três campanhas o povo votou para não voltar ao passado. Essa é uma candidatura (a de Aécio) que depois de um ano e meio de oposição não apresentou proposta para o futuro o país. A candidatura não tinha um vice, não tinha propostas e gastou um tempo precioso para atacar o nosso governo", afirmou.

Segundo ele, o governo do PT foi melhor em todos os aspectos quando comparado ao tucano. Ele listou dados de programas educacionais, falou que a era petista acabou com o sucateamento das universidades. Melhorou o acesso a educação básica, infantil e ao ensino médio. Mercadante também abordou o problema energético pelo qual o país passa. "Eles falam de energia, mas omitem o apagão no passado e a alta sem precedentes das tarifas" argumentou.

O tema econômico também teve destaque na fala do ministro, que falou de juros e custo de vida. Defendeu que no governo Dilma a inflação ficou em todos os anos dentro da meta e que ela está "caindo forte e rapidamente". Nas contas dele, o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) vai fechar 2014 na média dos últimos anos, ao redor de 6%. "Eles não falam de juros, mas no passado tivemos taxas de mais de 40%", disse.

Os programas e benefícios sociais também foram exaltados por Mercadante, que fez várias referências ao Bolsa ao Família. "Temos uma política social integrada, elogiada e copiada por muitas nações", defendeu. Ele afirmou ainda que antes do governo do PT o País tinha inúmeros programas separadas e pouco efetivos. O ministro ainda fez referência a uma frase do ex-ministro da Fazenda Delfim Neto, que há alguns meses disse que o país estava prestes a viver uma "tempestade perfeita" - termo cunhado por ele para explicar o momento de turbulência econômica que o país passaria com a mudança da política econômica nos Estados Unidos e as repercussões dela sobre o Brasil, além de fatores domésticos que, em conjunto, vem afetando a atividade econômica brasileira, como baixo crescimento e inflação elevada. " Ficaram falando em tempestade perfeita e tivemos um verão tranquilo", disse.

Segundo ele, todos os ministros estão convocados a defender suas pastas e mostrar as políticas públicas. "Temos de mostrar e defender aquilo do que temos orgulho", justificou. "É uma orientação da presidente que os ministros defendam o governo", disse.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.