• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Caso Pasadena » PF detecta dinheiro desviado na Suíça

Agência Estado

Publicação: 13/06/2014 22:06 Atualização:

A Operação Lava Jato identificou depósitos de empresas investigadas por supostos desvios na Petrobras em contas na Suíça atribuídas ao doleiro Alberto Youssef - alvo maior da Polícia Federal no combate a sofisticado esquema de lavagem de dinheiro que pode ter alcançado R$ 10 bilhões. Os investigadores destacam que repasses foram realizados pela Sanko Sider, fornecedora de uma contratada das obras da Refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco. Algumas transferências teriam ocorrido até 2014, antes da deflagração da Lava Jato, em março. Outros depósitos partiram de empreiteiras, uma delas a OAS, sediada em Salvador.

A Suíça comunicou o Brasil sobre o bloqueio de US$ 5 milhões em contas titularizadas por um “colaborador” de Youssef. Segundo a PF, ele exerce o papel de “laranja” do doleiro ao emprestar seu nome para ocultar ativos naquele país europeu. Também foi decretado o embargo de US$ 23 milhões em 12 contas do ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa, contra quem a Suíça abriu processo penal por lavagem de dinheiro.

Luc Leimgruber, procurador federal suíço, informou que, entre 2011 e 2012, Costa teria recebido “propinas para a adjudicação das obras no âmbito da construção das refinarias de Abreu e Lima nos arredores de Recife (Pernambuco)”. Segundo o procurador, o dinheiro teria origem ainda em “desvio de fundos públicos no âmbito de outra investigação vinculada à compra pela Petrobrás, em 2006, da refinaria americana Pasadena, no Texas”.

A PF sustenta que Youssef e Costa associaram-se para infiltrar organização criminosa na Petrobrás e em outros órgãos públicos em busca de contratos milionários por meio de fraudes a licitações. A investigação revela que o doleiro era o controlador do laboratório Labogen, que tentou negócios no Ministério da Saúde, gestão Alexandre Padilha (PT).

Rastreamento bancário aponta que Youssef pagou R$ 7,9 milhões em propinas para Costa, entre 2011 e 2012. Os pagamentos, segundo a PF, estavam “relacionados a obras da Refinaria Abreu e Lima, licitada pela Petrobrás na qual o investigado (Costa) teve participação”. Os investigadores acreditam que Costa mantém ativos em instituições financeiras não apenas na Suíça, mas também em outros países. Para a Justiça Federal, as contas secretas de Costa “podem apenas revelar um padrão de conduta, não se excluindo de antemão a possibilidade da existência de outras contas em outros países, eventualmente de difícil acesso pelas autoridades brasileiras”.

O Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) sugere conta corrente de Costa com o doleiro, “além de contas comuns no exterior”. A Justiça Federal autorizou compartilhamento das provas da Lava Jato com as CPIs da Petrobras. Serão disponibilizados aos parlamentares o inquérito da PF, os autos de busca e apreensão e da prisão de Costa, interceptações telefônicas e dados da quebra de sigilo bancário. Também foi autorizado compartilhamento com a PF no Rio, que investiga “eventuais ilícitos” envolvendo a aquisição de Pasadena pela Petrobras.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.