• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Polêmica » Mesmo com processo, deputado pernambucano continua defendo a "cura gay"

Tércio Amaral

Publicação: 06/06/2014 09:34 Atualização: 09/06/2014 08:26

Foto: Bruno Peres/CB/D.A Press
Foto: Bruno Peres/CB/D.A Press

O deputado federal pernambucano, o pastor Eurico (PSB), não quer largar de sua maior bandeira política: o polêmico projeto da “cura gay”, mesmo que isso signifique sua cassação ou desfiliação partidária.

Na próxima segunda-feira (9), o relator do caso contra o parlamentar no Conselho de Ética do PSB, Alexandre Navarro, irá notificar formalmente o pastor sobre a abertura de um processo estabelecendo o prazo de 10 dias para sua defesa.  

O pernambucano é alvo de questionamento do próprio partido. Setores do PSB, partido que tem como pré-candidato à Presidência da República o ex-governador Eduardo Campos, questionam a iniciativa do pastor Eurico em reapresentar o polêmico projeto da “cura gay”.

Uma das alternativas para evitar um pedido formal de cassação de mandato ou mesmo a desfiliação do partido era Eurico pedir o rearquivamento do projeto, mas isso não irá acontecer. Ao Poder Online (iG), o político evangélico disse que não muda suas “convicções”.

“Sou igual ao Eduardo Campos, não mudo minhas convicções. Meus princípios cristãos são inegociáveis”, afirmou o deputado, que ainda fez referência às recentes declarações de Campos contra a legalização do aborto. “Sou socialista. Sou da paz. Não fiz nada fora da lei e assim como respeito o partido, o partido também tem de respeitar o direito ao contraditório".

“Nem sei fazer a conta de quantos amigos gays eu tenho e respeito. Esse projeto não defende nenhuma cura gay, defende o direito de os profissionais exercerem seu trabalho e de qualquer pessoa buscar ajuda.”

O projeto da “cura gay” ganhou força quando o pastor e deputado federal Marco Feliciano (PSC-SP) presidiu a Comissão de Direitos Humanos da Câmara Federal no ano passado. Apesar de não ter sido encaminhado à votação, teve o parecer favorável do relator: o deputado federal de Pernambuco Anderson Ferreira (PR).

O projeto de lei destinado aos homossexuais sugere sustar os efeitos da Resolução nº 1, de 22 de março de 1999, do Conselho Federal de Psicologia (CFP), que proíbe tratamentos para curar a homossexualidade.

Polêmica com Xuxa

No mês passado, o pastor Eurico protagonizou uma polêmica na Câmara Federal. Durante a sessão da Comissão de Constituição e Justiça da Câmara, o parlamentar chegou a hostilizar e constranger a apresentadora Xuxa Meneghel, que realizava agenda na Casa.

A reunião foi tumultuada do início ao fim porque os deputados discutiam a redação final da chamada "Lei da Palmada", que altera o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) e proíbe a aplicação de castigos físicos a crianças e adolescentes.

A bancada evangélica é ferrenha opositora da matéria - que aguarda votação no colegiado há dois anos - e tentava evitar que ela fosse concluída. Quando evangélicos cobravam o presidente em exercício, Luiz Couto (PT-PE), a encerrar a sessão, o deputado Pastor Eurico hostilizou a apresentadora e disse que sua presença era "um desrespeito às famílias do Brasil".

A conhecida Rainha dos Baixinhos, que no ano de 82 provocou "a maior violência contra as crianças", disse, referindo-se ao filme "Amor Estranho Amor", daquele ano, em que Xuxa aparece numa cena de sexo com um adolescente de 12 anos.

Com Correio Braziliense

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.