• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Mudança » Gripe e chuva fazem Dilma Rousseff alterar agenda de compromissos Presidente cancelou viagens às cidades de Laguna e Concórdia, em Santa Catarina

Estado de Minas

Publicação: 06/06/2014 07:35 Atualização: 06/06/2014 07:54

A presidente Dilma tomou a vacina da gripe na quarta-feira e acabou contraindo a doença. Foto: Roberto Stuckert/PR (Roberto Stuckert Filho/PR)
A presidente Dilma tomou a vacina da gripe na quarta-feira e acabou contraindo a doença. Foto: Roberto Stuckert/PR

Por causa das fortes chuvas no interior de Santa Catarina e da gripe que a acometeu, a presidente Dilma Rousseff cancelou a viagem às cidades de Laguna e Concórdia, que estava prevista para esta sexta-feira. A viagem a Florianópolis e Porto Alegre está mantida. Segundo explicou o ministro Aloizio Mercadante mais cedo, a presidente Dilma tomou a vacina da gripe na quarta-feira e acabou contraindo a doença. Nessa quinta-feira, durante toda a reunião do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social, o Conselhão, ela estava com a voz falha, meio enrouquecida e tossiu algumas vezes. Em Porto Alegre, Dilma participa, ao lado do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, do Congresso Estadual do PT, no Rio Grande do Sul, às 19h.

No Conselhão, a presidente disse que as duas fases do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC1 e PAC2) ampliaram a capacidade de planejamento e execução do governo e destacou que o Programa de Investimentos em Logística (PIL) aumentou a participação do setor privado nos projetos de infraestrutura do país. “Não é possível fazer grandes obras sem parceria do governo federal com estados e municípios. Não é possível também fazer investimentos significativos sem parceria do setor público com o setor privado, seja de que forma for”, avaliou. Dilma criticou gestões anteriores à entrada do Partido dos Trabalhadores (PT) na Presidência, ao afirmar que, em 2003, o Brasil estava há duas décadas sem investir.

Protestos

Em palestra a empresários em São Paulo, o vice-presidente da República, Michel Temer, defendeu que as manifestações que acontecem no Brasil desde junho de 2013 são fruto da evolução política do país. “Nós passamos a exigir mais eficiência dos serviços privados e públicos. Passamos para uma outra fase da democracia”, afirmou. Otimista sobre o Brasil, Temer afirmou que o país vem evoluindo desde a promulgação da Constituição de 1988 e “não há razão para o pessimismo”. Segundo o vice-presidente, esse sentimento pessimista está relacionado ao período de campanha eleitoral. “Nós temos que confiar no país, confiar naquilo que estamos vivendo”, disse.

Em Porto Alegre, onde fez palestra em evento promovido por uma revista, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou que é “canalhice” dizer que xiste falta de confiança no Brasil no exterior. “Com que base alguém fala isso?”. Lula também comparou a situação da inflação nom país com uma “febre de 38”. “É como se a gente tivesse não com 37 de febre, tivesse com 38 e tivesse que tomar remédio já para não deixar chegar a 39 ou 40. Senão tem que dar um choque mais pesado.”

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.