• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Caruaru » TJPE suspende direitos políticos do prefeito José Queiroz Prefeito foi acusado de fazer promoção pessoal com recursos públicos. Ele pode recorrer da decisão

Diario de Pernambuco - Diários Associados

Publicação: 05/06/2014 18:46 Atualização: 05/06/2014 19:41

Crédito: Roberto Franca/Divulgação
Crédito: Roberto Franca/Divulgação
O Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE) suspendeu os direitos políticos do prefeito de Caruaru, no Agreste, José Queiroz (PDT), por três anos. O gestor foi processado pelo Ministério Público do Estado por improbidade administrativa por ter realizado, segundo os autos do processo, campanha de promoção pessoal com recursos públicos em 2009. O prefeito também terá que ressarcir integralmente os cofres municipais no valor do dano causado com o mau uso da publicidade. José Queiroz ainda pode recorrer.

Procurado, o prefeito José Queiroz comentou o assunto por meio de uma nota. Em apenas uma linha, diz: "A Prefeitura de Caruaru informa que respeita a decisão dos desembargadores, mas vai recorrer da decisão junto ao TJPE."

A campanha publicitária, de acordo com o processo, ocorreu através de pintura do nome de prefeito na fachada dos prédios municipais utilizando dinheiro da prefeitura. A medida afronta o princípio da impessoalidade, previsto no artigo 37 da Constituição Federal e constitui conduta tipificada como ato de improbidade administrativa na forma do art. 11 da Lei nº 8.429/92.

A Justiça entendeu que o prefeito lesou o erário. José Queiroz também está impedido de contratar com o poder público.

"Soou nítida a intenção do prefeito de, aproveitando a oportunidade para difundir as atividades administrativas do município o qual governava, também se promover como um 'excelente' administrador público", diz o texo do processo, assinado pelo juiz José Fernando Santos de Souza, da 1ª Vara da Fazenda de Caruaru. Com esse julgamento, fica mantida a decisão dele, que condenou José Queiroz à suspensão dos direitos políticos por três anos.

A suspensão foi publicada no Diário Oficial do Judiciário no dia 26 de maio. A decisão foi da 3ª Câmara de Direito Público do TJPE, que negou provimento ao recurso de apelação na Ação de Improbidade Administrativa movida pelo Ministério Público.

O relator do recurso foi o desembargador Luiz Carlos de Barros Figueirêdo, que teve seu voto acompanhado pela unanimidade da Câmara, também composta pelos desembargadores Antenor Cardoso Soares Júnior e Alfredo Sérgio Magalhães Jambo.
O gestor fica ainda proibido de contratar, receber benefício ou incentivos fiscais ou creditícios diretos ou indiretos junto ao poder público.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.