• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Disputa presidencial » Polarização já cansou o Brasil, diz Campos

AE

Publicação: 04/06/2014 20:30 Atualização:

O pré-candidato do PSB à Presidência da República, Eduardo Campos, afirmou na tarde desta quarta-feira (4) na capital gaúcha não ter dúvidas de que a polarização entre PT e PSDB na política nacional será rompida. "A polarização já cansou o Brasil, estamos vendo isso em vários lugares", disse em entrevista coletiva.

Ele revelou que a população sabe que, dividido, o País não dará conta da agenda que há pela frente, que, segundo ele, envolve mais investimento em áreas como educação e saúde. "Temos que superar a polarização de duas forças que já tiveram chance de governar, fizeram algumas coisas e deixaram de fazer muitas outras coisas", afirmou. "O que eles (PT e PSDB) têm que deixar agora é que o Brasil seja devolvido para os brasileiros."

De acordo com Campos, esta "nova política" passa pelo debate programático em torno de temas importantes para a sociedade, além de mudanças no sistema de alianças e na forma de governar. "É dizer que não vamos governar com o (José) Sarney nem com o (Fernando) Collor", explicou. "Vamos buscar que a sociedade faça uma parte das mudanças (nas urnas), e nós faremos a outra."

Barbosa
Campos disse também que o presidente do Supremo Tribunal Federal Joaquim Barbosa, marcou a vida do judiciário brasileiro pela sua postura à frente do STF. Campos também afirmou que, ao anunciar a sua aposentadoria após o dia 5 de abril - considerado o prazo-limite para que juízes e ministros de cortes superiores se desincompatibilizassem de seus cargos para disputar cargos eletivos em outubro -, Barbosa "deu um recado a todo bom entendedor".

"Ele disse 'vou sair (do STF), mas vou ser inelegível', fez desta forma", explicou. Segundo Campos, o ministro quis se distanciar do processo eleitoral imediato e evitar especulações em torno de uma possível candidatura. "Ele estabeleceu uma espécie de quarentena", afirmou.

Petrobras
Perguntado sobre a CPI da Petrobras, o pré-candidato disse que é preciso "esperar para ver o resultado". Campos também lembrou que outras esferas estão investigando a empresa, como o judiciário, a Polícia Federal e o Ministério Público. "Então aqueles que estão no Parlamento e acham que vão interromper ou desviar o assunto precisam ter cuidado, porque a verdade virá à tona", comentou. Segundo Campos, o valor de mercado da Petrobras caiu pela metade desde o início do governo de Dilma Rousseff. "Você imaginar quer tudo isso acontece e que a sociedade brasileira não vai ter o direito de saber? É óbvio que vai ter."

No Rio Grande do Sul, o PSB está na coligação com o PMDB, aliado de Dilma Rousseff no plano nacional. Campos foi a Porto Alegre para participar de compromissos político-partidários ao longo do dia e, na parte da noite, deve estar em ato político ao lado do pré-candidato do PMDB ao governo do Estado, José Ivo Sartori, e do deputado Beto Albuquerque, do PSB, que ficará com a vaga ao Senado na chapa.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.