• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Lá e cá » De casamento marcado com PT, PMDB também flerta com PSB Apesar da aliança entre petistas e peemedebistas, flerte de socialistas já rendeu resultados em oito estados, onde Eduardo Campos garantiu "novos aliados" para seu palanque presidencial

Aline Moura - Diario de Pernambuco

Publicação: 27/05/2014 10:36 Atualização: 27/05/2014 11:13

Apesar da infidelidade partidária, PT segue dependente do PMDB. Ontem, Lula encontrou-se com vice-presidente e principal liderança peemedebista. Foto: Ricardo Stuckert/ Instituto Lula (Foto: Ricardo Stuckert/ Instituto Lula)
Apesar da infidelidade partidária, PT segue dependente do PMDB. Ontem, Lula encontrou-se com vice-presidente e principal liderança peemedebista. Foto: Ricardo Stuckert/ Instituto Lula
O PMDB pode até estar de casamento marcado com o PT da presidente Dilma. Mas o noivado não impediu que o partido seguisse no flerte com o PSB, cujo pré-candidato é Eduardo Campos. A sigla peemedebista vai lançar 19 candidatos a governador no país, cinco vices e estará com os petistas na maioria dos estados. Mas o PMDB segue pulando o muro e encontrando fórmulas para se manter entre a vida de casado e solteiro. Embora seja adversário do PSB em 16 estados, além do Distrito Federal, os peemedebistas devem selar alianças com a legenda socialista em oito estados.

Entre os alvos das famosas piscadas do PMDB, existe até um democrata. Exatamente. Na Bahia, a legenda vai apoiar a pré-candidatura de Paulo Souto, aliado da família de Antônio Carlos Magalhães e maior rival do PT. A Bahia tem sido um dos estados considerados prioritários do PT nesta campanha - já recebeu a visita do ex-presidente Lula no início do mês. À revelia dessa importância, o ex-ministro da Integração Nacional da era Lula, Geddel Vieira, é cotado como pré-candidato ao Senado na chapa de Paulo Souto.

O Ceará é outro estado que provoca desentendimentos entre o PT e o PMDB. O senador Eunício de Oliveira (PMDB) não abre mão de ser candidato ao governo, contrariando a família dos irmãos Gomes (Ciro e Cid), que são bem próximos de Dilma e Lula e apostam em outro nome. Dilma não quer contrariar Eunício nem Ciro e adia a decisão o quanto pode.

Crítico ferrenho dos senadores José Sarney e Renan Calheiros, Eduardo não vem se furtando, contudo, em fazer alianças com outras lideranças do PMDB em alguns estados. Um exemplo foi a aproximação de Eduardo com o senador Jarbas Vasconcelos, em 2012 em Pernambuco. Aliás, o peemedebista vem sendo um dos principais articuladores desse “namoro”, organizando reuniões com correligionários dissidentes.

Relações estreitas
Sergipe e Rio Grande do Norte são dois casos a parte onde o PMDB mantém relações estreitas com o PSB na base, mas ninguém da cúpula admite. Em Sergipe, o senador Antônio Carlos Valadares é pré-candidato ao governo pelo PSB, mas não esconde a simpatia pelo governador Jackson Barreto (PMDB), que está na política desde a década de 1980, e pela presidente Dilma. Uma solução seria apoiar a pré-candidatura do senador Eduardo Amorim (PSC).

Já no Rio Grande do Norte, Eduardo está em desconforto com a possibilidade de Wilma de Farias (PSB), sua pré-candidata ao governo, apoiar o palanque do deputado federal Henrique Alves (PMDB), presidente da Câmara Federal. A aliança entre socialistas e peemedebistas nesse estado pode por em xeque o discurso da nova política. Eduardo, contudo, ainda não conseguiu impedir as articulações na base.

Apesar de mirar para todos os lados, contudo, o PMDB continua sendo cortejado. Nas suas contas, o único estado onde o partido não terá candidato ao governo, vice ou senador é o Acre.

Saiba mais

19 é o número de pré-candidatos ao governo lançados pelo PMDB, o maior número entre todos os partidos

8 é a quantidade de unidades da Federação onde o PMDB estará aliado ao PSB.  São eles:  Rio Grande  do Sul, Mato  Grosso do Sul, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte, Sergipe  Roraima e Rondônia

3 é o número de estados onde o PMDB quer fazer aliança com o PT, mas enxerga impasses. Em São Paulo, Rio de Janeiro   e Ceará não há consenso do apoio aos petistas e a recíproca  é verdadeira

13 é o quantitativo de estados onde o PMDB e o PSB devem estar em campos opostos, em virtude das movimentações mostradas até agora. São eles: Santa Catarina, Paraná, Espírito Santo, Minas Gerais, Goiás, Alagoas, Mato Grosso, Maranhão, Paraíba, Pará, Amazonas, Tocantins e Amapá.

3 é o número de locais onde o cenário para o PMDB é  diferente dos descritos acima. Na Bahia, o partido apoiará  o DEM; no Distrito Federal manterá aliança com o PT;  no Acre, não terá candidatos majoritários. 

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.