• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Repercussão » Dos gramados à política, Ronaldo permanece na polêmica

Agência Estado

Publicação: 27/05/2014 09:31 Atualização:

Amigo "há 15 anos" do senador mineiro Aécio Neves, com quem diz compartilhar saídas "de noite e de dia", o ex-astro da Seleção Ronaldo decidiu declarar seu apoio ao projeto presidencial do tucano. A preferência política, revelada em entrevista publicada ontem pelo jornal Valor Econômico, causou forte reação nas redes sociais e entre os adversários do PSDB, principalmente os petistas.

"Confio nele (Aécio) e acho que é uma ótima opção para mudar nosso país", afirmou Ronaldo na entrevista concedida na sexta-feira. No mesmo dia, o ex-jogador e hoje empresário que vive em Londres havia dito à agência Reuters que sentia "vergonha" dos atrasos nas obras da Copa. Ronaldo é conselheiro do Comitê Organizador Local (COL), entidade privada ligada à Fifa responsável pela realização do Mundial no País.

Nas entrevistas, o ex-jogador defendeu a realização da Copa e a Fifa, ambos alvo de protestos desde junho do ano passado. "Os culpados são os governos que prometeram e criaram essa expectativa para o povo. É uma oportunidade perdida", avaliou Ronaldo. "A gente tinha tudo para aproveitar esta grande chance e fazer tudo acontecer, entregar todos os investimentos prometidos ao povo e fazer uma grande festa."

Repercussão - Acostumado a ser assunto no fim de semana e nas manhãs de segunda-feira, quando torcedores travam calorosos debates sobre os jogos do fim de semana e os gols da rodada, Ronaldo repetiu a dose ontem, mas no debate político.

"(Ronaldo age) como alguém que tenta se dissociar na reta final para evitar qualquer tipo de desgaste", afirmou o secretário nacional de Comunicação do PT, vereador paulistano José Américo Dias, em resposta às críticas sobre as obras para a Copa. Para o petista, que participava de uma reunião partidária em Brasília, Ronaldo está "preparando o terreno" para o pré-candidato tucano, embora seja "corresponsável" pelo evento em função do cargo no COL.

No sábado, a presidente Dilma Rousseff já havia aproveitado um evento público para rebater a crítica do ex-jogador. "Tenho certeza de que o nosso país fará a Copa das Copas. Tenho certeza da nossa capacidade. Tenho certeza do que fizemos, tenho orgulho das nossas realizações", afirmou. "Não temos do que nos envergonhar e não temos complexo de vira-latas."

A afirmação refletia o quanto a petista havia se incomodado com o tiro de Ronaldo contra as obras da Copa. Ontem, Dilma tirou o pé e evitou prolongar a polêmica. Ao ser questionada por jornalistas se estaria "brava" com Ronaldo, disse apenas "não" e seguiu o curso.

Outro adversário de Aécio na disputa de outubro, o pré-candidato do PSB, Eduardo Campos, limitou-se a considerar "normal" o apoio de Ronaldo ao tucano. "Qualquer cidadão tem direito, na democracia, de fazer sua escolha", disse o ex-governador de Pernambuco, no "Cafés da Manhã Estadão Corpora", realizado ontem em São Paulo.

Patrulha - Em defesa do amigo, Aécio afirmou que Ronaldo de fato está "à disposição" da campanha presidencial tucana, mas que ainda não há nada definido sobre o papel do ex-camisa 9. "Ronaldo deu uma opinião como cidadão. Ele e outras pessoas que manifestam apoio são imediatamente patrulhadas", disse ontem, quando também esteve em agenda em São Paulo.

As declarações ultrapassaram as quatro linhas da disputa eleitoral, ou melhor, também repercutiram entre outro craque em unir futebol e política. Ex-centroavante como Ronaldo, mas dono da camisa 11, o hoje deputado Romário (PSB-RJ) não aprovou as críticas do ex-parceiro de seleção - os dois estavam na equipe que conquistou o tetra nos Estados Unidos, 20 anos atrás. "Tenho a minha bandeira e as minhas colocações. Não mudo de lado, dependendo da forma que acontece o jogo", afirmou Romário no Rio ao ser questionado sobre o assunto.

O jogador Gilberto Silva, pentacampeão com Ronaldo em 2002, não quis comentar o assunto após deixar ontem o Palácio do Planalto, onde participou de reunião do Bom Senso Futebol Clube com a presidente. (Colaboraram Rafael Moraes Moura, Ricardo Della Coletta e Ronaldo Lincoln Jr.). As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.