• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

"É um escândalo" » Apenas 632 pessoas estão presas por corrupção no Brasil, aponta procurador

Agência Câmara

Publicação: 22/05/2014 11:48 Atualização:

O procurador regional da República e secretário de cooperação jurídica internacional, Valdimir Barros Aras, afirmou há pouco que, no Brasil, apenas 632 pessoas estão presas por corrupção, num total de 550 mil presos. “É um escândalo e envergonha o País”, disse Aras, em audiência pública da Comissão de Fiscalização Financeira e Controle, que discute as dificuldades legislativas do governo brasileiro na recuperação dos ativos (dinheiro, propriedades, ações) que resultaram de crimes, encontrados no exterior.

Para o procurador, a recuperação desses ativos é fundamental para mudar a imagem do Brasil no exterior de país corrupto. Ele afirmou que o rastreamento de recursos financeiros enviados ao exterior, oriundos de crimes como corrupção e tráfico, é uma das maiores dificuldades para a repatriação dos ativos.

Aras ressaltou que o bloqueio desses bens é outra dificuldade encontrada pelas autoridades brasileiras, devido à ausência de tratados de cooperação internacional. Em muitos casos, isso ocorre devido às diferenças dos sistemas jurídicos entre os países. O procurador afirmou que, em muitos casos, quando o dinheiro é rastreado, os governos estrangeiros, pela ausência de tratados, não bloqueiam os bens e eles acabam sendo retirados de onde se encontram pelos criminosos.

Segundo ele, a falta de uma lei de cooperação é o que mais preocupa o Ministério Público. “Se não tivermos a capacidade de recuperar os ativos, de nada adianta prender os criminosos, porque eles continuam operando os recursos ilegalmente no exterior”, observou Aras.

Outro problema apontado pelo procurador é a deficiência estrutural da Justiça criminal brasileira. Para ele, o excesso de recursos na esfera jurídica, sobretudo em processos de lavagem de dinheiro, dificultam o acesso e a repatriação desses ativos. “Para termos um sistema de cooperação eficiente, é preciso ter um marco regulatório para facilitar a recuperação desses ativos.”

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.