• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

STF » Marco Feliciano será julgado por estelionato nesta quinta

João Vitor Pascoal - Diario de Pernambuco

Publicação: 22/05/2014 10:28 Atualização:

O pastor e deputado federal Marco Feliciano (PSC/SP) será julgado nesta quinta-feira (22) pelo Supremo Tribunal Federal (STF). O parlamentar responderá pelo crime de estelionato, delito previsto no artigo 171 da Código Penal.  De acordo com a pauta de julgamentos do STF previstos para hoje, o pastor é acusado de não ter comparecido a um "evento gospel no qual ministraria um culto religioso" no Rio Grande do Sul, mesmo tendo recebido um pagamento de R$ 8 mil, mais despesas de locomoção, alojamento e alimentação, atingindo o total de R$ 13,3 mil. Feliciano teria firmado um contrato verbal com a empresa.

As acusações são do ano de 2008, quando Feliciano ainda não era deputado. A pena prevista para o crime de estelionato pode chegar a cinco anos de reclusão.  A procuradoria-Geral da República (PGR) já emitiu parecer favorável à absolvição do parlamentar por falta de provas. De acordo com a PGR não há evidências da participação de Marco Feliciano na negociação dos eventos religiosos.

O pastor Marco Feliciano ganhou notoriedade ao assumir a presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara, mesmo com seu histórico de declarações homofóbicas e racistas. O parlamentar, inclusive, responde a outro processo no Supremo sob acusação de racismo. No ano passado, em sua conta no twitter, Feliciano afirmou que "os africanos descendem de ancestral amaldiçoado por Noé", e que esse fato seria a causa do "paganismo, o ocultismo, misérias e doenças como ebola" no continente africano. Esse processo ainda não está na pauta do STF.

 

Com informações da assessoria do Supremo Tribunal Federal

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.