• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Eleições de 2014 » Tucanos estão "apreensivos" com possível mudança de palanque em Pernambuco

Publicação: 20/05/2014 12:31 Atualização:

A fortalecimento da tendência do PSB em lançar uma candidatura própria em Minas Gerais e, assim, recuar num virtual acordo com o PSDB, começa a provocar duas reações no partido em Pernambuco. A primeira é a expectativa do lançamento da candidatura do deputado estadual Daniel Coelho ao governo do estado. A segunda, com menos empolgação, é a instauração de um verdadeiro clima de apreensão e incerteza dos candidatos ao legislativo. Como a maioria se articulou em torno do pré-candidato ao governo socialista Paulo Câmara, hoje a dificuldade é montar uma nova estratégia e não perder espaço na representação na Assembleia Legislativa e na Câmara Federal.

“Estamos sobressaltados. A gente sabe que esta eleição será muito difícil. Não será fácil mudar de palanque e montar uma estrutura aqui sem o PSB. Nós planejamos tudo isso lá trás e causa uma perplexidade alterar a estratégia praticamente em cima da data das convenções”, disse um tucano em reserva ao Diario, por telefone. Na avaliação de alguns setores do PSDB, mesmo que o PSB não cumpra o acordo em Minas e lançando a candidatura do deputado Julio Delgado, o partido deveria continuar no palanque de Paulo Câmara. Inicialmente, o PSDB não lançaria candidato em Pernambuco e o PSB em Minas, bases eleitorais dos respectivos presidenciáveis dos partidos, o ex-governador Eduardo Campos e o senador Aécio Neves.

A deputada Terezinha Nunes, no entanto, destacou que nenhuma decisão sobre eventuais mudanças em Pernambuco foi tomada. “Tudo vai depender de Aécio Neves. A decisão aqui de apoiar o PSB foi da Executiva Nacional. Se Eduardo romper com o partido em Minas Gerais, Aécio que tem que se posicionar em relação ao tema”, declarou. “Ele está fazendo as negociações em Brasília. Quando ele estiver conosco, marcando algum encontro, deverá apresentar a posição do partido”, resumiu.

Pré-candidato à Câmara Federal, o vice-prefeito de Petrolina Guilherme Coelho pensa diferente. Ele acredita que seu partido poderá, sim, mudar de estratégia e ter candidaturas competitivas tanto na proporcional como na majoritária. A receita dele tem dois ingredientes. Ou melhor, dos possíveis aliados. “O DEM está nacionalmente com Aécio Neves. E aqui com Paulo Câmara. O partido da Solidariedade também. Por que não mudar essa posição? O DEM tem uma aliança histórica com o PSDB. Temos tempo para conversar”, citou. Apesar do presidente estadual do DEM e deputado federal Mendonça Filho ter declarado que não mudará de posição, Guilherme ainda acredita no diálogo e manda um recado.

 

“Se o PSB não honrou um pacto com o PSDB, ele pode não honrar com o DEM e o Solidariedade. Então, é bom tomar cuidado com isso. Porque eles (PSB) podem não honrar outros pactos”, alfinetou. O vice-prefeito ainda declarou que está à disposição do partido para uma eventual candidatura ao Senado. Ele acredita que Daniel Coelho, com o bom desempenho nas urnas nas eleições de 2012 no Recife, será o “novo” nesta campanha. “Temos um excelente candidato, com experiência política. Aécio Neves só faz crescer nas pesquisas. Por que ficar à reboque em Pernambuco?”, indaga.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.