• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Investigação » MPF instaura mais de 200 procedimentos para apurar fraudes com o dinheiro público Investigação é feita contra deputados, prefeitos, ex-prefeitos, ONGs e empresários suspeitos de desviar verbas do Ministério do Turismo

Alessandra Mello

Publicação: 19/05/2014 06:57 Atualização:

Um dos maiores esquemas de corrupção envolvendo emendas parlamentares ao Orçamento da União rendeu, somente em Minas Gerais, até agora, 202 procedimentos instaurados pelo Ministério Público Federal (MPF), entre inquéritos e ações judiciais cíveis e criminais. Eles apuram a participação de deputados, prefeitos e empresários em irregularidades na aplicação de verbas do Ministério do Turismo destinadas a realização de festas, com a contratação de artistas e bandas de música. A maioria desses procedimentos investiga contratos firmados com as prefeituras durante o período de 2007 a 2009, quando a pasta recebeu um volume elevado de emendas parlamentares que, juntas, chegaram a atingir a cifra de R$ 782, 5 milhões. Segundo dados da Controladoria Geral da União (CGU), o total de emendas parlamentares destinadas ao Ministério do Turismo aumentou 600% nesse período. Irregularidades na aplicação desses recursos foram denunciadas em 2009 pela reportagem.

Só na Justiça Federal mineira já tramitam 53 ações. Ao todo são investigadas 98 das 853 prefeituras mineiras , o que representa 11% do total de municípios, em todas as regiões do estado. É possível que haja um número maior de cidades, pois algumas apurações tramitam em sigilo e não há como levantar o nome dos envolvidos. Algumas prefeituras são acusadas de irregularidades em mais de um procedimento, caso de Itabirinha de Mantena, cidade de pouco mais de 10 mil habitantes, no Vale do Rio Doce, alvo de quatro ações. Entre 2007 e o ano passado, a cidade recebeu R$ 2,4 milhões de repasses do Turismo para a realização de sete festas e também para a reforma de praças e do centro de eventos. A maioria dos convênios dessa cidade foi bancado com emendas parlamentares de autoria do ex-deputado federal Carlos William (PSC) e do deputado federal João Magalhães (PMDB), acusados pelo MPF de participação nos desvios.

Outros municípios, como Reduto, na Zona da Mata, e Matias Cardoso, no Norte, respondem a três ações. E muitos outros são alvos de dupla investigação. Sete organizações não governamentais que receberam verbas para eventos também respondem a inquéritos. A região do estado com maior número de ações é o Norte de Minas, com 17 já em tramitação, seguida do Leste mineiro, com 16 processos.

As fraudes com verbas do Ministério do Turismo para a realização de festas substituíram outros esquemas de desvio de recursos públicos que utilizavam roteiro semelhante: um deles tinha como objeto a aquisição de ambulâncias pelas prefeituras por preços superfaturados e com dispensa de licitação. Para desmantelar a quadrilha, a Polícia Federal montou a Operação Sanguessuga, que prendeu empresários e políticos. Em outra operação, a João de Barro, a PF desmontou um esquema de fraudes em obras públicas nos municípios, principalmente na área de saneamento.

Esquema nacional

O MPF define todos esses casos como “um esquema de corrupção envolvendo parlamentares federais, prefeitos e ex-prefeitos municipais e empresários, que, com a manifesta intenção de desviarem verbas públicas federais, utilizaram um mesmo modus operandi nos convênios celebrados com o Ministério do Turismo para a celebração de festas”. A atuação consistia, de acordo com o MPF, em fraudar os procedimentos licitatórios, para direcioná-los a empresas previamente escolhidas, que, por sua vez, utilizavam falsas cartas de exclusividade com os artistas contratados para os eventos. Os cachês eram superfaturados, e o valor excedente, rateado entre os participantes das fraudes.

Em São Paulo, já foram ajuizadas 31 ações de improbidade administrativa envolvendo 39 prefeitos e ex-prefeitos de cidades do interior do estado e 43 representantes de empresas intermediadoras de shows artísticos contratadas irregularmente para a realização de eventos promovidos com recursos públicos do Ministério do Turismo. Somente nessas cidades paulistas, o Ministério fechou 81 convênios, no valor total de R$ 13, 9 milhões. Algumas prefeituras, como Jales, no Noroeste, assinaram sete convênio de festas. Também existem ações e procedimentos de investigação em curso na Paraíba, Ceará, Bahia e Espírito Santo.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.