• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Composição » Rede tenta evitar racha para partido não chegar dividido na convenção Com a decisão do PSB nacional de não intervir na legenda e deixar que as duas correntes decidam sozinhas, o nome de Júlio Delgado passou a ser cogitado para a disputa pelo governo

Alessandra Mello

Publicação: 15/05/2014 07:48 Atualização:

Apolo quer a instalação de comissão para definir regras da convenção. Foto: Cristina Horta/EM/D.A PRESS  (Cristina Horta/EM/D.A PRESS )
Apolo quer a instalação de comissão para definir regras da convenção. Foto: Cristina Horta/EM/D.A PRESS

Integrantes do PSB mineiro ensaiam uma composição para evitar que o partido saia dividido no estado. Os socialistas da Rede tentam se aproximar da ala liderada pelo deputado federal Júlio Delgado, presidente da legenda em Minas, defensor de uma aliança com o candidato do PSDB ao governo do estado, Pimenta da Veiga. A intenção é evitar que o partido chegue na convenção com dois pré-candidatos ao governo do estado. Apolo Heringer, que preside a Rede no estado, era até então o único nome. Mas com a decisão do PSB nacional de não intervir na legenda e deixar que as duas correntes decidam sozinhas, o nome de Júlio Delgado passou a ser cogitado para a disputa pelo governo.

No entanto, não há certeza de que Delgado concorde em abrir mão de disputar a reeleição para a Câmara dos Deputados para se aventurar em uma campanha majoritária. A Rede também recebeu sinalização de que pode contar com o apoio do vereador Daniel Nepomuceno (PSB) e do presidente do Atlético, Alexandre Kalil (PSB), que foi sondado para ocupar a segunda suplência do candidato do PSDB ao Senado, o ex-governador Antonio Anastasia. Um fortalecimento do PSB em Minas interessa a Nepomuceno, que tem intenção de disputar a Prefeitura de Belo Horizonte em 2016. Kalil pode sair deputado ou então tentar o Senado na chapa do PSB, que poderá contar em Minas com o PPS e o PPL.

Por outro lado, a Rede tenta evitar ir para a convenção com o partido dividido, pois não conta com o apoio dos delegados, controlados majoritariamente pelos candidatos a deputado e pelos 34 prefeitos da legenda no estado. Mas, se não houver acordo, já avisou que vai para a disputa de qualquer jeito. Apolo já protocolou pedido formal de instalação da comissão que vai definir as regras da convenção partidária caso não haja acordo. Pela lei eleitoral, as convenções partidárias devem ser realizadas até julho. A intenção do partido é fazer seu encontro em junho.

 

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.