• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

PT » 'Minas não tem imperador' diz Pimentel após evento em BH

Agência Estado

Publicação: 13/05/2014 19:33 Atualização:

Provável candidato do PT ao governo de Minas, o ex-ministro Fernando Pimentel afirmou nesta terça-feira, 13, que o Estado "não tem dono, nem rei, nem imperador" e que o eleitorado mineiro vai escolher o próximo governante "em uma disputa política democrática, dentro do jogo". As declarações foram feitas após palestra para empresários na qual o petista teceu uma série de críticas ao Executivo mineiro.

O governo de Minas foi comandado pelo atual senador Aécio Neves (PSDB-MG), principal adversário da presidente Dilma Rousseff, entre 2003 e 2010, ano em que assumiu o vice e também tucano Antonio Anastasia, reeleito naquele ano. Hoje, o Estado está sob gestão de Alberto Pinto Coelho (PP), também aliado do senador. Mas, questionado, Pimentel negou que estivesse referindo-se ao tucano. "Eu falo de reis e imperadores. O Aécio é senador", disse.

Pouco antes, o petista - que cumprimentou até os garçons e outras pessoas que trabalhavam no evento - fez uma série de elogios a Aécio, com quem disse ter "identidade em muitos pontos" e que classificou como "uma pessoa de trato muito fácil". Chegou a dizer que teria manteria uma relação "bastante estreita" com Aécio caso os dois sejam eleitos para os cargos que devem disputar.

Mas criticou várias áreas do governo mineiro, principalmente a economia, que, segundo ele, tem "muito a ver" com o público do evento, composto principalmente por "empresários, executivos, que lidam com a questão econômica". "O sentimento em Minas Gerais é de que Minas ficou aquém do que poderia. Não é uma crítica de dizer que o governo não fez nada, foi tudo horrível. Seria absolutamente injusto se falasse isso", salientou.

Pimentel ainda usou como comparação a gestão federal e avaliou que, "por uma série de motivos, Minas não acompanhou" o crescimento do País e de outros Estados e hoje é responsável pela terceira participação no Produto Interno Bruto (PIB) nacional "distante" do Rio de Janeiro, que ocupa a segunda posição. "Se olharmos a trajetória que o Brasil percorreu nesses 12 anos e outros Estados percorreram, é isso que tenho ouvido muito forte: que Minas ficou para trás. Não é que andou para trás, mas andou menos que outros", disse. "E a nossa taxa de crescimento (mineira) ano passado foi 0,5% e a taxa nacional foi 2,3%", acrescentou.

Petrobras

Ao ser perguntado durante debate com os empresários sobre o efeito de investigações de possíveis irregularidades na Petrobras em sua candidatura, o ex-ministro disse que é "inevitável e natural" a "associação da imagem" dele com a da presidente Dilma, mas minimizou os estragos que as ações da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Senado para investigar a estatal.

"Vão fazer as apurações necessárias e o que tiver que ser feito vai ser feito. Nós vivemos um momento no Brasil de lavar roupa suja geral. Vale para todo mundo. O governo federal não teme CPIs. Outros governos a gente já não pode dizer o mesmo, porque evitam, bloqueiam", afirmou, sem citar nomes. Em Minas Gerais e São Paulo, as gestões tucanas usaram a maioria nas assembleias legislativas para impedir a instalação de CPI pedidas pela oposição e consideradas incômodas pelos Executivos.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.