• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Dinheiro » Amorim defende 2% do PIB para Ministério da Defesa

Agência Brasil

Publicação: 06/05/2014 14:23 Atualização:

O ministro da Defesa, Celso Amorim, voltou a defender hoje (5) na Câmara dos Deputados a destinação de pelo menos  2% do Produto Interno Bruto (PIB) nos próximos dez anos na área de defesa. Em debate sobre projetos estratégicos do setor, o ministro frisou que o país, apesar de pacífico, não está totalmente imune a futuros ataques.

“Nossa política externa é voltada para a paz e o desenvolvimento, mas, mesmo um país pacífico como o Brasil, não pode descartar a hipótese de ser afetado por ações armadas de potências extrarregionais, eventualmente, até geradas por conflitos que nos são estranhos. O Brasil é uma potência na área alimentar, na área ambiental e energética. São estas áreas em que a escassez de recursos,  em face da crescente demanda mundial, pode gerar crises, como reconhecem conceituadas entidades de diversos países”, argumentou Amorim.

Nos últimos dez anos, segundo o ministro, tem havido um aumento “mais ou menos” constante da execução orçamentária do Ministério da Defesa. Entre 2003 e 2013, as despesas com custeio e investimento passaram de R$ 3,7 bilhões para R$ 18,3 bilhões. “Se consideramos apenas os gastos com investimentos, saltamos de R$ 900 milhões para R$ 8,9 bilhões. Um aumento de quase 1.000% no período”, disse.

De acordo com Amorim, mesmo com esse aumento, a participação dos gastos com a área de defesa em relação ao Produto Interno Bruto permaneceu no patamar de 1,5%. A média mundial, comparou, é 2,6%. Já nos países que compõem o Brics, excluindo o Brasil, a média é 2,57%.

“Seria razoável, em um horizonte de dez anos, que pudéssemos passar para um percentual aproximado de 2% do PIB. A par do aumento da proporção dos gastos de defesa em relação ao PIB é fundamental que a destinação desses recursos seja estável e previsível”, disse.

O ministro reconheceu, no entanto, que a necessidade de elevar os recursos na área de defesa não pode afetar as políticas sociais do país. “Naturalmente, em um país como o Brasil, que só agora está erradicando a pobreza extrema, os gastos com defesa são objeto de escrutínio atento pela sociedade e é correto que seja assim. Mas os investimentos em defesa não pretendem competir com outras áreas de ação do governo, especialmente, a social. Mas não podemos perder de vista que sem a capacidade de defender a nossa soberania não poderemos ter uma sociedade verdadeiramente livre e independente”, alertou Amorim.

Segundo ele, a alocação de mais recursos para a defesa do país deve seguir “o senso de proporção, mas também com visão de mundo”. “O fato de não termos hoje inimigos declarados não nos isenta dos riscos de conflito. Temos o dever de criar condições para que a nossa indústria de defesa prospere e produza frutos”.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.