• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Definição » Em BH, Eduardo Campos sinaliza que PSB apoiará Pimenta da Veiga ao governo de Minas O ex-governador de Pernambuco está em Belo Horizonte para receber o título de cidadão honorário da Câmara de Belo Horizonte e participar de encontro com empresários

Iracema Amaral - Estado de Minas

Publicação: 05/05/2014 09:40 Atualização: 05/05/2014 15:36

Campos disse que esta é uma questão a ser decidida entre os dirigentes do partido em Minas. Foto: Sidney Lopes/EM/D.A Press
Campos disse que esta é uma questão a ser decidida entre os dirigentes do partido em Minas. Foto: Sidney Lopes/EM/D.A Press

O ex-governador de Pernambuco e pré-candidato à Presidência da República Eduardo Campos (PSB) disse nesta segunda-feira, em Belo Horizonte,  que não vai interferir na  disputa interna do PSB em Minas. O partido ainda não definiu que participação terá na campanha eleitoral deste ano ao governo de Minas. De um lado, há os que defendem a candidatura do ambientalista Apolo Heringer. Em contrapartida, a aliança com o PSDB é uma vertente de outro grupo de militantes do partido, que querem apoiar a candidatura do tucano Pimenta da Veiga.

Também presidente nacional do PSB,  Campos disse que esta é uma questão a ser decidida entre os dirigentes do partido em Minas. “Estamos no comando nacional e a nossa convenção (para homologar a candidatura dele à Presidência da República) será no dia 10 de junho. Até lá, todos os os estados terão que decidir a política de alianças em cada região”, disse o ex-hovernador. Segundo ele, dos 27 estados brasileiros, em15 o PSB já escolheu que rumo tomar na política de alianças.

Apesar da cautela para não melindrar parte dos colegas de partido em Minas, que apoiam a candidato de Heringer, Campos sinalizou, no entanto, qual deverá ser o caminho a ser seguido pelo PSB no Estado. De acordo com ele, o presidente do PSB mineiro, deputado federal Júlo Delgado, tem reiterado que a maioria quer apoiar a candidatura de Pimenta. Em troca do apoio, afirmou Campos, o PSB ganharia a primeira suplência na chapa para senador, cujo pré-candidato é o ex-governador Antônio Anastasia (PSDB).

Segurança

Eduardo Campos voltou a reiterar que é contra a redução da maioridade penal. Ao contrário do que defende o pré-candidato à Presidência da República, senador Aécio Neves (PSDB), favorável à iniciativa em se tratando apenas de crime hediondo. “O STF (Supremo Tribunal Federal) já decidiu pela manutenção da atual regra, a menos que se mude a Constituição”, justificou Campos.

Para ele, evitar a reincidência de menores infratores tem a ver com o tempo que permancem nas casas de internações. Campos disse que, se eleito, aumentaria a punição e, ainda, criaria lugares adequandos - sem entrar em detalhes-, para o cumprimento da medida de ressocialização.

O ex-governador de Pernambuco também defendeu outras medidas para conter a violência que assombra a população brasileira. De acordo com ele, os alvos seriam ampliar o efetivo da Polícia Federal, garantindo maior policiamento nas fronteiras do país, evitando a entrada de drogas e armas - cujo tráfico e contrabando estão, segundo especialistas, no centro das principais causas da violência.

Economia

O ex-governador que está em Belo Horizonte para receber o título de cidadão honorário de Belo Horizonte, em solenidade marcada para as 10 horas deste segunda-feira, na Câmara de Belo Horizonte, voltou a criticar o governo da adversária na disputa eleitoral deste ano, a presidente Dilma Rousseff (PT).

Campos considerou que o governo sustenta “um cenário da pior política econômica “, combinando índice inflacionário batendo no teto da meta, estipulado pela atual equipe econômica em 6,5% por ano, além de juros altos e crescimento econômico baixo. A receita de Campos, reiterada por ele em Belo Horizonte, é manter a inflação no centro da meta, de 4,5% e, ainda, manter os gastos de acordo com a arrecadação, junto com o enxugamento do número de ministérios, que hoje é 39 pastas, e a independência do Banco Central.

Inclusão social

Eduardo Campos também garantiu que vai manter os programas de inclusão social do governo Dilma – Bolsa-Família, Pronatec e Programa Mais Médicos. Ele fez questão de mencionar que participou da criação, como ministro fo Governo Lula (2003/2010), do Bolsa Família, que, para ele, é uma “conquista do povo brasileiro”.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.