• (1) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Mensalão » Dirceu com tevê e banho quente Deputados visitam o ex-ministro na Papuda e descrevem cela ampla e confortável. Em vídeo, o petista critica o regime fechado

Correio Braziliense

Publicação: 30/04/2014 11:22 Atualização: 30/04/2014 12:27

Foto: Ronaldo de Oliveira/CB/D.A Press/Arquivo
Foto: Ronaldo de Oliveira/CB/D.A Press/Arquivo
Parlamentares expuseram opiniões contraditórias sobre o recebimento de regalias por parte do ex-ministro da Casa Civil José Dirceu no Complexo Penitenciário da Papuda. O grupo, formado por cinco integrantes da Comissão de Direitos Humanos e Minorias (CDHM), visitou o condenado no mensalão ontem, à pedido da família do petista, para averiguar se ele está recebendo tratamento diferenciado. “Quando chegamos à cela, ele estava acompanhando o jogo do Bayer (de Munique) contra o Real Madrid, numa tevê de plasma”, disse o deputado Arnaldo Jordy (PPS-PA).

Além da tevê, a cela de Dirceu também teria um chuveiro elétrico e um micro-ondas de acordo com a deputada Mara Gabrili (PSDB-SP). Os parlamentares ressalvaram ter visto alguns desses aparelhos em outras celas. “A alimentação, as visitas e os horários dele são absolutamente iguais aos dos outros. Não há nenhum privilégio que justifique uma sanção contra ele, como a de impedir o trabalho externo”, opinou o deputado Nilmário Miranga (PT-MG), autor do requerimento para a visita.

De acordo com informações repassadas pela direção do Centro de Internamento e Reeducação (CIR) aos parlamentares, o local onde está a cela de Dirceu abrigava originalmente uma cantina, e foi adaptado no fim do ano passado para acolher os réus do mensalão. Enquanto as demais celas possuem em média 15m², o local criado para os mensaleiros soma 23m². Atualmente, Dirceu é o único ocupante do espaço. As demais celas do CIR foram projetadas para seis ocupantes, mas o número pode chegar a até 12 pessoas, de acordo com os parlamentares. “Eu vi celas de várias unidades aqui (na Papuda) e as que a gente viu hoje lá em cima são horrorosas, comparadas à dele. É uma cela iluminada, ampla. O beliche é de material diferente. É diferente das demais”, avaliou a deputada Mara Gabrili. Também fizeram parte da comissão os deputados Jean Wyllys (PSOL-RJ) e Luiza Erundina (PSB-SP). Para os dois, Dirceu não estaria recebendo tratamento diferenciado.

A Subsecretaria do Sistema Penitenciário do Distrito Federal (Sesipe) nega que a cela de José Dirceu tenha micro-ondas, ao contrário do que afirmaram os deputados da comitiva. Aparelhos de tevê são permitidos dentro da Papuda, segundo as regras do sistema carcerário da capital. Geralmente, os familiares levam os equipamentos aos detentos. A cela onde Dirceu está, segundo a Sesipe, abrigava presos que trabalhavam na cantina do estabelecimento prisional. Por isso, é maior. O espaço foi destinado aos mensaleiros em regime semiaberto. Com isso, os antigos detentos passaram a ocupar espaços localizados na parte de fora do prédio do CIR.

Reclamação
Em vídeo divulgado pela TV Folha na noite de ontem, Dirceu reclama de estar em regime fechado, mesmo tendo sido condenado ao semiaberto. “Nós nunca questionamos o regime carcerário, o meu problema é o regime prisional. Eu estou em regime fechado.” Ele contou que foi classificado, primeiro, para limpar o pátio. Hoje, trabalha na biblioteca da cadeia. Dirceu detalhou seus horários, na rotina carcerária, considerando o tempo em que trabalha e o período de banho de sol — onde fica sem contato com outros presos —, para mostrar aos parlamentares que tem estado em regime fechado.

“A rigor, sábado e domingo eu saio (por) duas horas daqui. Durante a semana, eu saio (por) sete horas (...) Então, na verdade meu regime não é semiaberto”, disse. O ex-ministro contou aos deputados que também faz cursos a distância oferecidos no presídio. Citou direito constitucional, direito da família e direito do consumidor. Segundo ele, ainda planeja fazer outras disciplinas jurídicas, já que é advogado.

Esta matéria tem: (1) comentários

Autor: Breno Cunha
É notório que José Dirceu condenado no Mensalão tem privilégios. Lugar de corruto é na cadeia, sem regalias de micro-ondas, chuveiro elétrico, TV, etc.Todo preso merece o mesmo tratamento, isto é preconceito, descriminação.Acorda POVO, fora o PT. | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.