• (1) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Perturbação » Planalto quer colocar a gestão do PSDB nas discussões da CPI da Petrobras Estratégia governista é escolher os principais cargos da CPI e desenterrar problemas na Petrobras ocorridos no governo FHC

Paulo de Tarso Lyra

Publicação: 28/04/2014 07:12 Atualização: 28/04/2014 09:20

Senadores governistas discutem a instalação da CPI da Petrobras: Planalto quer o petista Humberto Costa (E) na presidência da comissão
Senadores governistas discutem a instalação da CPI da Petrobras: Planalto quer o petista Humberto Costa (E) na presidência da comissão

O governo vai ressuscitar dois casos que considera escandalosos durante o governo Fernando Henrique Cardoso para perturbar os tucanos na CPI da Petrobras: a plataforma P-36, que afundou na Bacia de Campos em 2001, e a negociação da estatal para a compra de ativos da espanhola Repsol na Argentina em troca de uma participação na refinaria Alberto Pasqualini, no Rio Grande do Sul. Para os petistas, esses dois casos exemplificam a gestão temerária e lesiva do PSDB à frente da maior empresa brasileira.

A estratégia, sugerida na semana passada, durante reunião dos líderes com os ministros Aloizio Mercadante (Casa Civil) e Ricardo Berzoini (Relações Institucionais), será intensificada a partir de hoje, em uma nova rodada de encontros no Palácio do Planalto. Ciente de que é uma perda de tempo o recurso ao plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) para reverter a decisão de uma CPI restrita à Petrobras, o Planalto tenta, agora, trazer o PSDB para o centro do ringue. “Não somos só nós que temos de explicar coisas. Eles também têm as operações nebulosas que pretendem esconder”, disse um interlocutor palaciano.

A base aliada já vinha ensaiando esse discurso ao lembrar que a compra da refinaria de Pasadena, no Texas, que ensejou o início da corrida pela assinatura para uma CPI da Petrobras, fazia parte de um planejamento da estatal, iniciado ainda durante o governo Fernando Henrique Cardoso, para ampliar a presença internacional da empresa. Mas faltava o levantamento de dados concretos para arrastar os tucanos à vala comum das irregularidades. A negociação com a Repsol e a tragédia da P-36 surgiram como uma boa oportunidade para isso.

Esta matéria tem: (1) comentários

Autor: Rosimar Pereira
Que tempo nebuloso o Brasil esta vivendo! Todos ficam mamando e calados, mas quando alguem decente fala em apurar desmandos, todos se agitam e falam que todos tem culpa. Vamos apurar tudo e botar TODOS na PAPUDA. Até o LULA diz que presos do mensalão não eram de sua confiança! ZÉ Dirceu éra inimigo? | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.