• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Previsões » Copa pode dar em zebra nas eleições

Aline Moura - Diario de Pernambuco

Publicação: 27/04/2014 16:39 Atualização:

 (Greg/DP)
Evento que prometia dar um "banho de cuia" nos adversários do PT e fechar com chave de ouro a gestão da presidente Dilma Rousseff (PT), a Copa do Mundo de 2014 transformou-se na variável mais imprevisível da eleição. A pouco mais de um mês para início do Mundial, a preocupação é visível entre os articuladores políticos da presidente, que temem ver transformados em "zebra" todos os esforços extracampo feitos pelo ex-presidente Lula para trazer, ainda em 2006, o torneio ao Brasil. A "ola" pode ser dada fora das arquibancadas, com previsão de várias manifestações de rua nas 12 cidades-sede, contrariando toda a cultura de que o Brasil é o país do futebol.

Em meio aos riscos de Dilma chutar "a bola quadrada", a orientação dada pelo Palácio é para que os petistas saiam da inércia e comecem a massificar os efeitos positivos que a competição garantirá ao país. Nesta última semana, ficou decidido que o próprio Lula vai enfrentar os adversários até meados de julho e depois repassar a bola à aliada. Ele vai comandar o "bateu levou" e contar com a ajuda de ministros com inserção junto aos movimentos sociais, como Gilberto Carvalho (ministro-chefe da Secretaria-geral da Presidência da República).

Embora estejam na torcida, sem o desafio de administrar o país, os presidenciáveis da oposição, como o ex-governador Eduardo Campos (PSB/PE) e o senador Aécio Neves (PSDB/MG), não devem incorporar o "já ganhou". Eduardo não revela se vai assistir a jogos em estádios de futebol, mas promete manter agendas regionais independentes. Alguns aliados sugerem que ele opte pela "catimba", com um jogo mais lento e uma certa discrição. Citam, por exemplo, que o Recife foi uma das cidades-sede mais criticadas nos últimos meses, tanto na questão da mobilidade, como na de segurança, e não conseguiu concluir, até agora, 26 das 28 estações do Corredor Leste/Oeste do BRT previstas para funcionar no Mundial.

Outros mais otimistas, no entanto, acreditam que esse é o momento para Eduardo se destacar. Em junho do ano passado, quando as manifestações atingiram o auge, o ministro Joaquim Barbosa, do Supremo Tribunal Federal, e a ex-senadora Marina Silva cresceram nas pesquisas de intenções de votos por serem identificados com a causa das ruas. Hoje, contudo, Marina é pré-candidata a vice de Eduardo e ambos dizem, por onde passam, identificarem-se com as reivindicações. "Não temo as manifestações. Já fui muito às ruas como jovem, como militante. Todas as vezes que fomos às ruas, foi para melhorar o Brasil", afirmou o socialista em Cascavel, no Paraná, na semana passada.

O senador Aécio Neves (PSDB) também não quer levar "uma bola nas costas". Ele vai ver alguns jogos em Belo Horizonte - capital do seu estado -, Manaus e Salvador, onde tem aliados no comando, mas pretende ter uma agenda discreta. Especialmente porque o governo de seu aliado em Minas, seu reduto eleitoral, também pode virar vidraça. Belo Horizonte, por sinal, foi uma das cidades-sede onde o clima esquentou bastante no ano passado, com manifestantes ao redor do estádio e confronto com as forças de segurança. "Quem quiser faturar com a Copa, vai quebrar a cara", tem advertido o parlamentar em conversa com mais próximos.

Segundo lideranças políticas que falam em reserva, embora Aécio e Eduardo estejam numa posição mais confortável, não haverá como descolar os protestos de toda a classe política. O efeito Copa, aliás, será um divisor de águas na eleição. Dilma sobe ou despenca de vez e seus adversários seguem no mesmo ritmo. No futebol, como na política, o segundo lugar significa nada.

Saiba mais

As dores e delícias da Copa

Os contra

O governo vai estar na vitrine e na vidraça durante a Copa. Até agora, no entanto, a maior parte da população, 43% contra 40%, acha que o evento mundial trará mais prejuízos que benefícios (Ibope)

O governo federal não conseguiu passar à população os benefícios sociais da Copa. Os problemas ficaram mais visíveis. Obras estão sendo tocadas.

Durante o Mundial, os olhares estarão voltados à forma como a polícia tratará as manifestações. Há uma preocupação sobre o aparato de repressão montado para conter os “infiltrados” e o próprio movimento social.

Um eventual desempenho negativo da seleção brasileira vai aumentar o pessimismo do brasileiro, que já sente os efeitos da crise econômica.

Os prós

Dilma tem a oportunidade de se destacar nacionalmente e internacionalmente no evento. Está sob a responsabilidade dela fazer da Copa a apoteose da era petista, iniciada em 2001 com o então presidente Lula.

O humor do brasileiro pode melhorar durante a Copa se houver a sensação de melhoria dos serviços públicos. Ao todo, 45 obras de mobilidade estão sendo tocadas nas cidades-sede (R$ 8 bilhões).

Nesse período, haverá um fluxo de turistas a mais no país e isso também vai impactar os setores de hotelaria comunicação, cultura, lazer e comércio varejista. A interatividade com outros povos pode abrir um leque de possibilidades (econômicas e culturais).

O plano de investimentos nas cidades-sede da Copa (12 ao todo) totaliza R$ 25,6 bilhões. Há expectativa de geração de 710 mil empregos em todas as áreas. Só na Copa das Confederações - bem menor - houve um incremento de R$ 740 milhões no turismo.

Fonte: Governo federal e lideranças da oposição
Tags:

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.