• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Apoio » PV próximo de reforçar o palanque de Eduardo Campos Verdes discutem com socialistas a possibilidade de abrir mão de candidatura presidencial

Aline Moura - Diario de Pernambuco

Publicação: 25/04/2014 08:33 Atualização: 25/04/2014 14:54

Verdes discutem com socialistas a possibilidade de abrir mão de candidatura própria à Presidência da República. Foto: PSB/Divulgação
Verdes discutem com socialistas a possibilidade de abrir mão de candidatura própria à Presidência da República. Foto: PSB/Divulgação

Um terceiro elemento pode aliviar a panela de pressão que abriga atualmente a Rede e o PSB de São Paulo e, por tabela, robustecer o palanque presidencial do ex- governador Eduardo Campos (PSB). O Partido Verde - antiga sigla da ex-senadora Marina Silva - tende a retirar a pré-candidatura do médico Eduardo Jorge ao Palácio do Planalto para apoiar Eduardo Campos. As costuras estão sendo feitas pela cúpula partidária das três legendas. E para fechar o eventual acordo será necessário o PSB e a Rede abrir mão da candidatura própria ao governo paulista para reforçar a campanha do vereador Gilberto Natalini (PV), o nome lançado pelos verdes nesse estado.

Eduardo Jorge falou com o Diario por telefone ontem, depois de passar cerca de duas horas navegando em meio às enchentes que tomam conta de Porto Velho, em Rondônia, há cerca de 70 dias. Ele se disse continuar firme na disputa presidencial, viajando ao redor do país, mas não descartou a possibilidade de o PV se aliar ao PSB nacionalmente. Negou com veemência, entretanto, qualquer hipótese de disputar o governo de São Paulo no lugar de Gilberto Natalini, como se discutiu na cúpula das três legendas envolvidas. "Isso ai, você pode escrever, é impossível. Quem contou isso está querendo fazer intriga. Nosso candidato em São Paulo é Natalini", declarou.

Segundo Eduardo Jorge, contudo, as conversas sobre a disputa para o Planalto estão sendo tratadas pelos presidentes nacionais dos partidos, tendo um prazo para definição até junho. "Por enquanto, não estou sabendo de nada e estou tocando minha campanha', ressaltou o pré-candidato, que foi secretário de Meio Ambiente do então prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, atual presidente nacional do PSD.

De acordo com uma fonte que pediu reserva, a aliança nacional com o PV deve trazer cerca de um minuto ao programa eleitoral de Eduardo Campos e ajudar, também em São Paulo, a reaproximar o PPS do palanque do PSB. Os pós-comunistas de São Paulo defendem a reeleição de Geraldo Alckmin (PSDB) e o presidente nacional do PPS, Roberto Freire, chegou a ser convidado para ser candidato ao Senado na chapa do PSDB. Mas a adesão dos verdes ao PSB e à Rede poderia atrair o PPS.

A aliança com o PV também acabaria com a polêmica envolvendo a Rede e o PSB no estado paulista. Hoje, não há o mínimo consenso na Rede para apoiar o deputado federal Márcio França (PSB) e os aliados de Marina só querem abrir mão de indicar um nome próprio na disputa de São Paulo se for em nome de Gilberto Natalini.

Saiba mais

Discursos semelhantes e divergentes

O PV lançou as diretrizes do seu programa em março passado, repetindo os principais pontos defendidos em 2010 pela ex-senadora Marina Silva e incorporados por Eduardo Campos desde o ano passado

Semelhantes

Redução de ministérios
Entre as diretrizes, há propostas semelhantes entre os discursos do PV e o PSB como, por exemplo, a redução de ministérios. Eduardo propôs cortar o número de ministérios no ano passado e, este ano, estipulou um número %u201Cpelo menos a metade%u201D. O PV quer reduzir de 39 para 14 ministérios.

Reforma política
O PV, o PSB e a Rede também estão afinados em parte na proposta de reforma política. O PV critica o que chama de corporativismo e o clientelismo do governo com a mesma ênfase de Eduardo e Marina.

Divergentes

Aborto
Um dos nós no programa do PV é a defesa da liberação da maconha para uso medicinal e recreativo, bem como a defesa da legalização do aborto. Eduardo defende que as leis sobre o aborto permaneçam inalteráveis e quer a ampliação do contingente da Polícia Federal para combater o tráfico de drogas.

Senado
Outro ponto polêmico é a defesa da extinção do Senado. Eduardo Campos nunca propôs esse tipo de reforma. Será um tema que precisará entrar em consenso.

 

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.