• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Câmara dos Deputados » Se André Vargas renunciar, documento será aceito e suplente assumirá, diz Alves

Agência Câmara

Publicação: 22/04/2014 15:55 Atualização:

O presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves, afirmou nesta terça-feira (22) que se o deputado licenciado André Vargas (PT-PR) resolver renunciar ele acatará a decisão do parlamentar, com efeito imediato, o que significa a posse do suplente, mas que o processo por quebra de decoro no Conselho de Ética e Decoro Parlamentar terá continuidade. O primeiro suplente da coligação que elegeu Vargas é Marcelo Almeida (PMDB-PR), que já assumiu o mandato por um curto período nesta legislatura.

André Vargas responde a processo no Conselho de Ética por quebra de decoro parlamentar por conta de suas relações com o doleiro Alberto Youssef, preso na operação Lava Jato da Polícia Federal. O doleiro pagou um jatinho para levar Vargas e a família para passar as férias em João Pessoa (PB) no final do ano passado.

Além disso, há denúncias de que o deputado teria intercedido em favor de uma das empresas de fachada do doleiro em negócios com o Ministério da Saúde. A Polícia Federal interceptou conversas em que o doleiro cobra a atuação de Vargas e diz que a “independência financeira” dos dois dependeria do sucesso no negócio.

O Conselho de Ética deve votar o relatório preliminar hoje.

Leréia
Henrique Alves também confirmou que a votação do processo contra o deputado Carlos Alberto Leréia (PSDB-GO) ocorrerá em sessão extraordinária marcada para amanhã (quarta-feira, 23), após a sessão ordinária. O parecer do Conselho de Ética e Decoro Parlamentar recomenda a suspensão do mandato do parlamentar por 90 dias.

Leréia foi condenado pelo conselho em setembro de 2013, com parecer do deputado Sérgio Brito (PSD-BA), após os conselheiros terem rejeitado outro parecer, do deputado Ronaldo Benedet (PMDB-SC), que recomendava a perda de mandato.

A suspensão aprovada pelo conselho se deve à amizade de Leréia com o contraventor Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, investigado pela Polícia Federal.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.