• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Congresso Nacional » Recursos que custeiam atividade dos parlamentos equivalem ao PIB africano A fortuna utilizada anualmente para cobrir as despesas do Congresso não é exclusiva do Legislativo federal. Os recursos públicos que custeiam a atividade dos parlamentos brasileiros equivale ao PIB de países africanos e do leste europeu

André Shalders - Correio Web

Publicação: 07/04/2014 07:21 Atualização:

Manifestante em frente à barreira policial no Congresso: entre as cobranças, mais transparência e controle no uso dos recursos públicos. Foto: Daniel Ferreira/CB/D.A Press (Daniel Ferreira/CB/D.A Press)
Manifestante em frente à barreira policial no Congresso: entre as cobranças, mais transparência e controle no uso dos recursos públicos. Foto: Daniel Ferreira/CB/D.A Press

Uma montanha de dinheiro: R$ 20.587.541.643,95. Esse foi o gasto total do Estado com a manutenção do Congresso Nacional, de 26 Assembleias Legislativas, da Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF) e de apenas 37 Câmaras Municipais no período de um ano. Se fosse uma nação, o Legislativo brasileiro teria o orçamento equivalente ao Produto Interno Bruto (PIB) de países como Madagascar, na costa africana, ou a Armênia, no leste europeu, de acordo com dados de 2012 do Banco Mundial. As verbas consumidas pelo “país legislativo” são ainda duas vezes maiores do que o PIB da vizinha Guiana. Os especialistas são assertivos ao traduzir o sentimento da população: o problema não é somente o volume astronômico dos gastos aliado à baixa produtividade dos parlamentos. O mais grave é que os altíssimos impostos pagos pelo povo não são convertidos em serviços de qualidade.

Outro entrave diz respeito à transparência das instituições. Nem mesmo a entrada em vigor da Lei de Acesso à Informação, em maio de 2012, foi suficiente para forçar todos os órgãos a divulgar as próprias despesas. Até a última sexta-feira, por exemplo, as assembleias legislativas de Alagoas, do Amapá, do Ceará, de Mato Grosso e do Rio Grande do Norte não haviam repassado as informações de 2013 ao Ministério da Fazenda, impedindo que os recursos utilizados fossem visualizados por meio do Sistema Integrado de Administração Financeira (Siafi). Dessa forma, o levantamento, elaborado pela ONG Contas Abertas, considerou a prestação de contas desses órgãos em 2012. A pesquisa não leva em conta os gastos com a Previdência dos parlamentares e de servidores. Também foram desprezados os custos das Câmaras Municipais de 5,5 mil cidades com menos de 500 mil habitantes.

O problema da falta de transparência se repete em diversas câmaras de vereadores. “Até mesmo a prestação de contas anual, que deveria ser entregue à Secretaria do Tesouro Nacional (STN), algumas dessas casas legislativas deixam de fazer. E olha que isso é previsto na Lei de Responsabilidade Fiscal. O Legislativo, especialmente nos estados e nos municípios, fica muito aquém do Executivo no que diz respeito à transparência das informações”, comenta o economista Gil Castello Branco, da ONG Contas Abertas. “O cidadão que tentar fiscalizar gastos e realizar o controle social sobre o Legislativo, especialmente nos municípios, provavelmente sairá frustrado porque é uma missão impossível. Quer dizer, é um custo muito elevado, como mostrado, e o mínimo que se espera é que esses órgãos prestem contas”, completa ele.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.