• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Maratona » "Vivi esse papel intensamente", afirma Eduardo em seu último dia de governo Eduardo Campos se despede do governo após sete anos e três meses à frente do comando do estado

Franco Benites

Publicação: 04/04/2014 08:05 Atualização: 04/04/2014 08:57

Em seu último dia de agenda administrativa como governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB) quis mostrar que está com o fôlego em dia para a pré-campanha à Presidência da República. Ontem, o socialista enfrentou uma maratona de compromissos com seis eventos no roteiro. Entre o primeiro - a assinatura de uma carta de intenções com a Fiat - e o último - a inauguração do Museu Cais do Sertão -, ele fez a entrega do Parque Urbano da Macaxeira, da Escola Técnica Miguel Batista e de novas alas dos hospitais Barão de Lucena, da Restauração e de Câncer.

Foto: Eduardo Braga/SEI
Foto: Eduardo Braga/SEI
A extensa agenda de Eduardo incluiu ainda a assinatura da carta de renúncia ao cargo de governador. No entanto, ele disse que só deixaria de se sentir o gestor do estado hoje, ao passar o cargo para o vice João Lyra (PSB), e mostrou animação com a nova fase de sua vida. “Vivi intensamente o papel de governador. Agora, é um outro papel, outra tarefa que vou viver com intensidade e com a mesma alegria. Sempre soube ser as coisas e deixar de ser as coisas. A gente só é as coisas quando está preparado para deixar de sê-las”.

Os discursos de Eduardo foram pensados de acordo com cada um dos compromissos. No Hospital de Câncer, onde assinou um documento colocando fim à intervenção do estado na unidade de saúde, as palavras foram dirigidas aos pacientes e profissionais do local. “Sempre me coloquei na condição de um usuário do SUS”, afirmou. No Parque da Macaxeira, para um público mais eclético, lembrou a trajetória do seu avô e ex-governador Miguel Arraes.

Acompanhado dos familiares em quase todos os compromissos, Eduardo Campos evitou assuntos espinhosos. No início da noite, quando questionado sobre a reclamação do senador Humberto Costa (PT) de que ele está sendo injusto por não citar que parte das obras inauguradas tem recursos do governo federal, ele foi seco: “Não vou responder”. Depois, no Museu Cais do Sertão, deu destaque a um ex-aliado. “Essa obra nasceu de uma conversa minha com o ex-presidente Lula (PT). Quero aqui dedicar essa inauguração ao presidente Lula. Aqui prestamos uma homenagem a um grande brasileiro”, falou.

Os compromissos de Eduardo Campos foram acompanhados por políticos das mais diversas áreas. Todos queriam a oportunidade de sair bem na foto ao lado do ex-governador. O prefeito do Recife, Geraldo Julio (PSB), secretários de estado, vereadores e deputados estaduais e federais, inclusive de legislaturas passadas, como Severino Cavalcanti (PP), fizeram questão de fazer parte do adeus de Eduardo após sete anos e três meses à frente de Pernambuco.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.