• (1) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Congresso » Humberto Costa diz que "vai mostrar à oposição que o PT não está pra brincadeira"

Filipe Barros - Diario de Pernambuco

Publicação: 31/03/2014 11:32 Atualização: 31/03/2014 14:44

A comissão parlamentar de inquérito (CPI) para investigação de possíveis irregularidades na Petrobras segue sendo um ponto polêmico no Congresso Nacional. O senador Humberto Costa (PT) disse que os petistas "vão mostrar à oposição que não estão para brincadeira". O líder do PT no Senado rebateu a declaração do governador Eduardo Campos (PSB), que afirmou que a ampliação da CPI "cheira a infantilidade". Líderes da base governista teriam sido avisados de que a presidente Dilma Rousseff pode chamá-los para uma reunião ainda nesta segunda-feira (31).

Humberto adiantou que o governo pediu que senadores sejam mais discretos sobre as manobras contra a CPI da Petrobras para evitar que a oposição se arme para um contra-ataque. A intenção do governo federal é de ampliar o escopo de atuação da CPI para que a investigação atinja também seus prováveis adversários na corrida presidencial, o senador Aécio Neves (PSDB) e o governador Eduardo Campos. O líder do PT na Câmara dos Deputados, Vicentinho (SP), pretende investigar na Casa o Porto de Suape e a Refinaria Abreu e Lima, contra a qual há denúncia de que as obras teriam tido o valor aumentado em várias vezes, a exemplo da terraplanagem da área. As falhas teriam sido atribuídas a erros do projeto original.

Ao falar sobre a posição de Vicentinho, Eduardo Campos frisou que o PSB não pretende fazer da CPI um ambiente para desestabilizar o governo federal. "O povo quer transparência", afirmou o socialista no último sábado, durante compromisso no Sertão pernambucano. Já no caso de Aécio Neves, a campanha dele poderia ser atingida com as suspeitas sobre a formação de cartel e fraude em licitações de trens em São Paulo durante as gestões tucanas.

CPI
A oposição tenta instaurar uma comissão parlamentar de inquérito (CPI) para investigar as denúncias de irregularidades na operação que resultou na compra da Refinaria de Pasadena, no Texas (EUA), em 2006, pela Petrobras. A operação resultou em um prejuízo de US$ 1 bilhão à estatal brasileira, que está sendo investigada por suspeita de superfaturamento e evasão de divisas. A presidente Dilma Rousseff já declarou que desconhecia o acompanhamento da refinaria e afirmou que aprovou a compra da unidade pela Petrobras “porque, na época, parecia um negócio vantajoso”.

Mesmo reiterando sua desaprovação em relação à ideia de criação de uma CPI no Senado para investigar a Petrobras, o presidente da Casa, Renan Calheiros (PMDB-AL), disse que pretende consultar os líderes partidários sobre o encaminhamento do requerimento protocolado pela oposição na semana passada. Ele lembrou que os parlamentares podem assinar ou retirar o apoio à criação da CPI até a meia-noite do dia em que o requerimento de instalação for lido em Plenário. “Retirar assinatura é uma prerrogativa do parlamentar. Não é possível dizer se alguém vai retirar ou acrescentar assinatura”, afirmou. Há previsão de que o requerimento seja lido nesta terça-feira (1º).

"É evidente que uma CPI em ano eleitoral mais atrapalha do que facilita a vida do Brasil, mas agora não há mais o que fazer. Temos o requerimento, o fato determinado, o pedido de um número de membros da própria comissão, então vamos marcar a data, fazer a conferência dos nomes e a leitura dos nomes e instalar a comissão", finalizou Renan afirmando que não sabe se haverá uma comissão mista de senadores e deputados pela fato da CPI ser uma investigação política.

Esta matéria tem: (1) comentários

Autor: Breno Cunha
Huberto Costa, és uma piada. Devia falar do Mensalão, da corrupção no Governo Dilma, na crise na Petrobras. O PT é uma mentira. Fora DILMA. | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.