• (4) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Compra de refinaria » Presidente do TCU faz críticas à presidente Dilma por erro em compra de refinaria "Pode ser que alguma das partes não tenha tido conhecimento (de clásulas polêmicas do contrato), mas um conselho, quando se reúne, tem que tomar as decisões de forma coletiva e aprofundar decisões", disse Augusto Nardes

Estado de Minas

Publicação: 28/03/2014 10:32 Atualização: 28/03/2014 11:08

Foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press/Arquivo
Foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press/Arquivo

O presidente do Tribunal de Contas da União (TCU), Augusto Nardes, criticou nessa quinta-feira indiretamente a presidente Dilma Rousseff e os integrantes do Conselho de Administração da Petrobras na época da compra da Refinaria de Pasadena, no Texas, em 2006. “Pode ser que alguma das partes não tenha tido conhecimento (de clásulas polêmicas do contrato), mas um conselho, quando se reúne, tem que tomar as decisões de forma coletiva e aprofundar decisões. Espero que isso (os prejuízos na compra da refinaria) sirva como exemplo para que não aconteça mais”, afirmou.

A referência de Nardes é em relação à alegação da presidente de que não conhecia duas cláusulas do contrato – Marlim e Put Option – ao votar a favor da compra de metade da refinaria, em 2006. A Put Option prevê que, em caso de desacordo entre os sócios, a outra parte é obrigada a adquirir o restante das ações. Foi o que ocorreu. A Petrobras acabou comprando a outra metade da refinaria. Na soma das operações, a estatal desembolsou quase US$ 1,2 bilhão em um negócio que, inicialmente, valia US$ 42,5 milhões.

A cláusula Marlim, por sua vez, garantia à sócia da Petrobras, a Astra Oil, um lucro de 6,9% ao ano. Dilma disse ao jornal O Estado de S.Paulo que o relatório sobre o contrato apresentado ao conselho era “falho” por não incluir informações fundamentais, como a das duas cláusulas.

Nardes disse que o relatório com o resultado das investigações do TCU sobre o caso deve ser votado até o fim do primeiro semestre. Mas evitou responsabilizar diretamente algum envolvido. “Quem poderá se manifestar (sobre improbidade ou outros crimes) é o relator, ministro José Jorge, porque, cabe a ele, que preside o processo, direcionar o relatório conforme as imputabilidades que poderão ser consequentes desse trabalho”, alegou.

O presidente do TCU antecipou, porém, que o órgão avalia a compra da planta americana como prejudicial à Petrobras. “Pelas informações que a gente tem, não foi um bom negócio”, lamentou Nardes, acrescentando que “o prejuízo para a nação brasileira foi bastante significativo”. Ele disse ainda que, no ano passado, se reuniu com a presidente da estatal, Graça Foster, e com o ministro relator do processo para tratar das investigações. Na época, Nardes já conhecia parte das informações que estão sendo divulgadas pela imprensa. “Nós não divulgamos informações das apurações antes da apresentação do relatório”, explicou.

Esta matéria tem: (4) comentários

Autor: norma silva
e onde estava o TCU nesta época? Por que só agora está criticando? Por que não viu antes?Todos ladrões finos, que usam gravatas para disfarçarem! | Denuncie |

Autor: luiz pedro
Essa presidente Dilma é um desastre junto com seu partido o PT, só pensam na patota deles, vejam por exemplo os aposentados que ganham acima do salário mínimo, não tem aumento acima da inflação desde o também desastrado Lula. | Denuncie |

Autor: oliver oliveira
compramos um refugo americano. | Denuncie |

Autor: oliver oliveira
que despreparo hein. esse valor do salario minimo também e um erro grave,de muintos politicos,que cruzam os braços. o bicho e tão pequeno,que tem muintos desse politicos,que não sabem nem o valor,do vergonhoso salario minimo. | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.