• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Rumo eleitoral » Futuro do PT no estado está em jogo Dirigentes do partido se reúnem neste domingo para discutir e votar direção que a sigla vai tomar nas eleições estaduais deste ano

Mirella Marques

Publicação: 23/03/2014 07:20 Atualização: 21/03/2014 18:30

Os petistas vão caminhar com Armando Monteiro e preferirão seguir sozinhos na corrida eleitoral? Decisão deve sair neste domingo. Arte: Maurenilson Freire/CB/D.A Press
Os petistas vão caminhar com Armando Monteiro e preferirão seguir sozinhos na corrida eleitoral? Decisão deve sair neste domingo. Arte: Maurenilson Freire/CB/D.A Press

Manter o histórico de candidatura própria ao governo, mesmo num cenário em que o partido está praticamente isolado? Ou defender uma política de aliança com o PTB e, assim, garantir um palanque cheio para a reeleição da presidente Dilma Rousseff em Pernambuco? Essa é a encruzilhada que os petistas do estado vão decidir neste domingo (23), último dia do Encontro de Tática Eleitoral do partido. Embora a palavra final seja dos 300 delegados vencedores do processo de eleição direta (PED) realizado em novembro do ano passado, as lideranças do PT já fazem suas apostas.

A adesão à pré-candidatura de Armando Monteiro (PTB) é analisada como melhor opção e defendida por toda a executiva nacional da legenda. Fazem parte desse grupo ninguém menos que a própria Dilma, o ex-presidente Lula e o presidente nacional do PT, Rui Falcão. No estado, seguem a corrente o senador Humberto Costa, o deputado federal João Paulo Lima e Silva, o ex-prefeito João da Costa e o grupo da presidente do PT em Pernambuco, Teresa Leitão. Juntas, essas lideranças contam com o apoio da maioria dos delegados. Pelo menos mais de 150 dos 300 votantes.

Por isso, a vitória aritmética do grupo que apoia a aliança com Armando já é dada como certa nos bastidores do PT. Mesmo que a votação seja apertada. "Acredito que, hoje, 60% do PT em Pernambuco defende a política de aliança para o governo. Sem falar que a executiva nacional considerou Armando Monteiro um candidato bem competitivo", justificou o deputado federal João Paulo. Ele, inclusive, é o escolhido do ex-presidente Lula para disputar o Senado na chapa PT-PTB. "Estou esperando primeiro o que será decidido no Encontro de Tática Eleitoral para depois falar sobre esse assunto", desconversou.

Para o senador Humberto Costa, dois fatores contribuiram para que a tese da candidatura própria perdesse força dentro da legenda estadual. "Não há nome no PT que possa assumir uma chapa forte neste momento. Também seria importante obter uma unidade absoluta, plena. E isso não está acontecendo no momento", opinou. O ex-prefeito João da Costa acha que o PT sairá sozinho, caso defenda candidato próprio. "A gente aprendeu com os erros políticos cometidos em 2012. Eles têm repercussão até hoje mas temos que deixar o passado e avaliar a conjuntura das eleições deste ano", disse Costa, lembrando do processo traumático vivido pelo PT nas eleições municipais de 2012. Na época, a executiva nacional precisou interferir para indicar quem brigaria pela Prefeitura do Recife.

O curioso é que, até o final do ano passado, a maioria dos petistas sequer pensava na política de aliança. E, se pensava, não sinalizava isso. No entanto, a pré-candidatura do governador Eduardo Campos (PSB) à Presidência e o lançamento do seu indicado Paulo Câmara (PSB) para o governo do estado criaram um racha na antiga base aliada. A notícia não foi uma surpresa, já que o desejo de Eduardo disputar as eleições presidenciais era antigo. Mas o fato obrigou os petistas a "se mexerem". Isolado, o PT começou a vislumbrar a aliança com Armando como a melhor opção. Principalmente para não esvaziar o palanque de Dilma.

Mas o nome de Armando está longe de ser unanimidade. Do outro lado do "cabo de guerra" está o grupo liderado pelo presidente do PT em Recife, Oscar Barreto. "A pergunta não é quantos defendem candidatura própria mas quantos mudaram de opinião do ano passado para cá. Nosso grupo tem força no PT e tem muita gente que vai se expressar durante o Encontro", apostou. Parte da militância também defende candidatura própria, por causa da história da legenda em Pernambuco. Independentemente do cenário político. Esse bloco conta com o apoio de cerca de 80 delegados.

Apesar da divergência de opiniões, a presidente estadual do PT não acredita que o partido saia "quebrado" do Encontro de Tática Eleitoral. "É claro que haverá petistas que não votarão em Armando. Como teve gente que não votou em Humberto porque o suplente era Joaquim Francisco. Mas são posturas individuais. Os militantes que participam dessa discussão são experientes", avaliou. Teresa fez questão de frisar que a discussão sobre apoiar ou não o pré-candidato do PTB já está amadurecida e vem sendo discutida há, pelo menos, dois meses. Por via das dúvidas, a participação de Armando Monteiro no Encontro ainda é uma incógnita no evento do PT.


Cenário do PT em Pernambuco


Grupo: Humberto Costa e João Paulo

delegados: 100

posição: Defende a aliança com Armando


Grupo: Oscar Barreto e Osmar Ricardo

delegados: 69

Posição: Defende candidatura própria

 

Grupo: Teresa Leitão, Fernando Ferro, João da Costa

delegados: 56

Posição: Há divisão. Mas maioria quer Armando

 

Grupo: Mozart Sales

delegados: 27

posição: Defende a aliança com Armando

 

Grupo: PT de Luta e Marcha

delegados: 24

posição: Não decidiu ainda


Grupo: Wladimir Quirino (Grupo Raul)

delegados: 12

posição: Defende a aliança com Armando


Grupo: Edmilson Menezes

delegados: 7

posição: Defende candidatura própria

 

Grupo: Louise Caroline (Grupo Mais/Caruaru)

delegados: 5

posição: Não decidiu ainda

O que será decidido no Encontro de Tática Eleitoral?
Será decidido que caminho o PT tomará nas eleições estaduais deste ano. Ou sai com candidatura própria ou defende a política de aliança com o senador Armando Monteiro, do PTB

Quem pode votar?
Os 300 delegados eleitos no último processo de eleição direta (PED) do partido, em novembro de 2013

Como será a eleição?
Historicamente, as votações petistas são abertas, em assembleia

Encontro de Tática Eleitoral


Dias: 22 e 23 de março

Local: Hotel Jangadeiro, em Boa Viagem

Fonte: PT em Pernambuco.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.