• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Marcha » Mais gente na Marcha da Família, que defende intervenção militar Manifestantes afirmam que vão seguir passeata pela Avenida Conde da Boa Vista

Diario de Pernambuco - Diários Associados

Publicação: 22/03/2014 15:24 Atualização: 22/03/2014 15:55

Apenas dez integrantes aguardam a saída da Marcha da Família na Praça do Derby. Ed Wanderley DP/ D.A press (Ed Wanderley DP/ D.A press)
Apenas dez integrantes aguardam a saída da Marcha da Família na Praça do Derby. Ed Wanderley DP/ D.A press

Mais simpatizantes estão chegando para a Marcha da Família com Deus pela Liberdade, na Praça do Derby. Eles estão planejando uma passeata pela Avenida Conde da Boa Vista. O evento foi organizado através das redes sociais para celebrar a Marcha da Família realizada em 1964, que ajudou a legitimar o Golpe Militar de 31 de março.

O comerciante e ex-oficial do Exército Hildernardo Ferreira, de 50 anos, é um dos que participa do movimento. "O que o grupo quer é uma intervenção militar, não um governo militar, para que haja um ajuste político no país", afirmou. Ele acredita que só uma ação militar vai resgatar os valores e a moral do Brasil. "Antes de tudo, somos nacionalistas", avaliou.

Grupos estão se concentrando na Praça do Derby, no Recife. Entre os simpatizantes, membros
Grupos estão se concentrando na Praça do Derby, no Recife. Entre os simpatizantes, membros "skinheads". Ed Wanderley DP / D.A press
 

No campo político oposto, o estudante de publicidade Tiago Silva, 22 anos, disse que não apoia a Marcha da Família porque existe muita ingenuidade ou má-fé no grupo. "Acho que a Marcha vai ser um fiasco", declarou. Ele e outras quatro pessoas estão na Praça do Derby para apoiar a Marcha Anti-Fascista. 

 

Tags:

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.