• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Discussão no Congresso Nacional » Estatuto é polêmica também na Educação

Mirella Marques

Publicação: 16/03/2014 10:03 Atualização: 14/03/2014 15:52

O ensino médio conta, em média, com 11 disciplinas obrigatórias. Se o projeto for aprovado, ganharia mais uma. Foto: Bruno Peres/CB/D.A Press (Bruno Peres/CB/D.A Press)
O ensino médio conta, em média, com 11 disciplinas obrigatórias. Se o projeto for aprovado, ganharia mais uma. Foto: Bruno Peres/CB/D.A Press

Apesar de os holofotes estarem voltados apenas para o conceito de família, o Estatuto também está dividindo opiniões entre os educadores, já que prevê a criação de uma nova disciplina na grade curricular dos estudantes. O excesso de matérias é uma queixa recorrente há anos. Sem falar que outras tentativas de ampliação do currículo através de lei, como a obrigatoriedade de aulas de música, sequer saíram do papel. O que pode tornar a ideia do deputado pernambucano vazia. Mas o conteúdo dessa nova disciplina também foi questionado.

"Se a matéria em questão abordar apenas uma estrutura familiar determinada, ela não vai contemplar a diversidade brasileira. Não podemos mais tratar esse assunto numa dimensão de discriminação e desigualdade para as crianças e adolescentes", analisou a gerente da área técnica da organização Todos pela Educação, Alejandra Meraz Velasco. Ela também acredita que a criação de uma matéria nova vai sobrecarregar ainda mais o currículo do ensino médio, por exemplo. Hoje, são ministradas, em média, 11 disciplinas obrigatórias no antigo segundo grau.

"Não vejo necessidade de criar uma nova disciplina. A questão da família pode ser debatida no âmbito de outras matérias já existentes. Isso sem falar no problema da falta de professores que existe. Quem iria ministrar essa disciplina?", disse a pesquisadora. E, dentro do universo de docentes, também existe a dificuldade para encontrar profissionais com licenciatura, a formação específica exigida em sala de aula. "Da mesma forma que falamos de diversidade racial e social, por exemplo, teríamos que encontrar professores preparados para refletir outras diversidades na escola.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.