• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Forças armadas » Mortes de Dom Helder e JK seriam antecipadas

Publicação: 14/03/2014 08:50 Atualização:

A morte do então arcebispo de Olinda e Recife dom Helder Camara (1909-1999) poderia ser antecipada pelas Forças Armadas. Um complexo plano anticomunista do regime militar brasileiro (1964-1985) teria acertado a morte do religioso, além das do ex-presidente Juscelino Kubitschek e do ex-governador Carlos Lacerda, para o ano de 1968. A intenção dos militares era provocar a explosão do sistema de distribuição de gás da cidade do Rio de Janeiro e criar um "clima favorável" à perseguição de opositores. O projeto foi abortado depois de recusa de um militar, o então capitão Sérgio Miranda, encarregado da missão.

"Eles queriam criar um clima favorável para perseguir os comunistas", relatou Miranda. Segundo ele, cerca de 100 mil pessoas poderiam ter morrido com o atentado. Depois da missão, dom Helder, JK e Carlos Lacerda seriam sequestrados e seus corpos jogados no mar. "Eu não me considero um herói", disse o ex-militar.

Essa história pode parecer, inicialmente, até um contrassenso, mas faz parte de um conjunto de relatos coletados no documentário Militares na democracia: os militares que disseram não, dirigido e idealizado pelo cineasta carioca Silvio Tendler. O filme foi exibido, com exclusividade, na tarde de ontem no Congresso Internacional dos 50 anos do Golpe de 1964, realizado na Universidade Católica de Pernambuco (Unicap).

"Sempre quis contar essa história. Pouca gente sabe, mas alguns militares resistiram ao golpe de 1964. Vende-se a história do golpe como se fosse algo rápido e pronto, e não foi. Foram 20 anos de sofrimento para eles, que foram colocados na reserva e perderam até a licença em pilotar. Foram tempos difíceis", disse o cineasta, após a primeira exibição do filme. O documentário será lançado no dia 1º de abril nas comemorações do aniversário do golpe no Museu da República, no Palácio do Catete (antiga sede da Presidência da República), na cidade do Rio de Janeiro.

"A ideia deste filme ainda é da década de 1980. Uma vez eu estava saindo do bairro da Tijuca, na cidade do Rio de Janeiro, onde moro, e ia para o Aeroporto do Galeão. Conheci um taxista que era militar e foi afastado por não concordar com o golpe. Ele procurou outra profissão para sobreviver e nunca mais o encontrei", completou Silvio Tendler. O documentário foi bastante aplaudido e será exibido em festivais em todo o país, além das emissoras de TV públicas e privadas brasileiras.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.