• (1) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Disputa presidencial » Eduardo Campos diz que não "ataca" Dilma Rousseff

Diario de Pernambuco - Diários Associados

Publicação: 11/03/2014 13:53 Atualização: 11/03/2014 14:26

Eduardo Campos participou da inauguração de uma unidade da Ambev nesta terça-feira.Foto: Júlia Schiaffarino/DP/D.A Press (Júlia Schiaffarino/DP/D.A Press)
Eduardo Campos participou da inauguração de uma unidade da Ambev nesta terça-feira.Foto: Júlia Schiaffarino/DP/D.A Press
A cada dia elevando mais o tom das críticas ao governo Dilma Rousseff, principalmente em relação à condução da economia, o governador Eduardo Campos (PSB), virtual adversário da petista, disse que não faz "ataques" à presidente. Segundo o socialista, o que ele tem feito é debater as questões de interesse nacional. "É normal o PIB cair, a inflação voltar a subir? Temos que discutir o Brasil. Isto não é ataque", declarou.

O governador participou da inauguração da fábrica da Ambev na manhã desta terça-feira (11) em Itapissuma, município da Região Metropolitana do Recife. A unidade é a maior da empresa nas regiões Norte e Nordeste, com capacidade para produzir oito milhões de hectolitros das principais marcas de cerveja e refrigerante da marca. Ao lado do pré-candidato do PSB ao governo do estado, o secretário da Fazenda, Paulo Câmara, e dos dirigentes da empresa, Eduardo fez um discurso voltado para os temas econômicos.

"Uma nação do tamanho do Brasil precisa ter um protagonismo na busca por um novo padrão de desenvolvimento. Não há desenvolvimento social sem o desenvolvimento econômico, cuidando da sustentabilidade", discursou. O governador disse que, em 2015, serão 30 anos que a indústria brasileira perdeu representação no Produto Interno Bruto (PIB) do país. Ele citou o crescimento no período Juscelino Kubitschek (1956- 1961). "Temos que interpretar os fatos e encontrar o caminho de retomada", afirmou.

Em seguida, Eduardo citou o exemplo de Pernambuco, apontando que o modelo adotado no estado pode ser reproduzido no país. "O que fizemos em Pernambuco pode ser feito no Brasil. A indústria do estado vai representar 28% do PIB. Hoje, é de 22%", exemplificou. O socialista lembrou a ascensão e o declínio da indústria sucroalcooleira do estado e a retomada industrial dos últimos anos. "Somos o estado que viu que o planejamento, a visão, a vontade política podem ser transformadores", encerrou.

Com informações da repórter Júlia Schiaffarino, do Diario de Pernambuco

Esta matéria tem: (1) comentários

Autor: Tomé Santos
Eduardo campos quer enganar a quem? Pernambuco está em desenvolvimento há 12 anos, graças Lula e a Dilma, que vem encaminhando o que Lula deixou por fazer... O Arraes, quando governador, não conseguiu pagar nem o 13°, isto no governo de FHC e o Marco Maciel, Vice-Presidente. PE ficou a pão e água...! | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.