• (2) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

São Paulo » Eduardo diz que Brasil não aguenta esperar e diz que Dilma não pode fugir de debates Governador fez críticas a presidente em palestra realizada para empresários paulistanos

Aline Moura - Diario de Pernambuco

Publicação: 10/03/2014 16:11 Atualização:

O "Brasil não aguenta mais esperar" por mudanças políticas. "Eu poderia esperar até 2018, mas acho que nosso país não aguenta esperar". Esse foi o tom levantado nesta segunda-feira (10) pelo governador Eduardo Campos, cotado como presidenciável do PSB, em palestra realizada na Associação Comercia de São Paulo. Eduardo levantou o mote com o qual os empresários e os próprios petistas estão preocupados, o que vem sendo observado nas pressões que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva vem recebendo para voltar a disputar a presidência."O arranjo político em Brasília já deu o que tinha que dar", repetiu, soltando mais uma vez indiretas para a relação turbulenta e considerada por ele como não programática entre o PT e o PMDB.    

Segundo informações do Estado de São Paulo, Eduardo Campos falou em 2018 rechaçando a possilidade de adiar o projeto presidencial.Essa hipótese chegou a ser cogitada pelo próprio Lula logo quando Eduardo começou a se movimentar e foi sustentada por vários petistas durante meses. A possibilidade também foi levantada com a entrada de Marina Silva no PSB em outubro.    

Sem citar detalhes, Eduardo Campos declarou que a atual gestão tomou decisões erradas que impediram o crescimento do Brasil a partir de 2011. "O mundo foi se organizando na pós-crise, os blocos foram se adaptando, uns com mais dificuldades e outros com menos", explicou. "Isso encurtou o espaço do Brasil (no cenário internacional), mas nós erramos em tomar muitas decisões", disse. "A forma acabou atrapalhando o conteúdo", acrescentou. "Para os agentes econômicos fica a impressão de que falta um olhar de longo prazo. Para onde estamos indo, o que vamos fazer?" indagou.  

O discurso de Eduardo antecedeu em um dia a palestra que o ministro da Fazenda, Guido Mantega, fará para o mesmo segmento econômico.

Ainda em São Paulo, no mesmo evento, Eduardo disse estar preocupado com a eventual ausência da presidente Dilma Rousseff em debates durante a campanha eleitoral. Ele contou que soube da probabilidade por meio de relatos com veículos de comunicação. "(Vemos nas) pessoas do governo, que vão (às reuniões) representar sua excelência a presidente da República, uma posição clara de fugir de debate. O Brasil não pode admitir. A presidente, e nós todos a respeitamos enquanto presidente do nosso país, não tem direito de fugir de debate", declarou, sendo aplaudido pelos empresários presentes.
Tags:

Esta matéria tem: (2) comentários

Autor: José Valério Melo
Esse governador não diz nada com nada... | Denuncie |

Autor: Evaldo mendes
Torço muito para uma vitória de Campos-Marina, todavia, como não entendo das manobras do Congresso para que o sujeito governe ou não governe, tenho receios de puxarem o tapete deles... | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.