• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Para resolver descompasso » Dilma e Temer se reúnem para fazer acordo entre PMDB e PT Depois da troca de ataques entre Eduardo Cunha, pelo PMDB, e Rui Falcão, pelo PT, Planalto isola peemedebista de encontro para discutir reforma ministerial e eleição

Grasielle Castro

Paulo de Tarso Lyra

Publicação: 10/03/2014 07:29 Atualização:

Ao todo, foram duas horas de reunião, que também contou com o ministro da Casa Civil, Aloizio Mercadante. Foto: Wilson Dias/ABr (Wilson Dias/ABr)
Ao todo, foram duas horas de reunião, que também contou com o ministro da Casa Civil, Aloizio Mercadante. Foto: Wilson Dias/ABr

A presidente Dilma Rousseff e o vice, Michel Temer, anteciparam nesse domingo o retorno de viagens à Bahia e ao interior de São Paulo, respectivamente, para alinhavar um acordo que colocasse PMDB, PT e Planalto em um mesmo tom, depois do descompasso das últimas semanas, a crise chegou à troca de acusações e ofensas entre o líder do PMDB na Câmara, Eduardo Cunha (RJ), e o presidente petista, Rui Falcão. As reuniões em série, no entanto, ampliaram a irritação da bancada de deputados peemedebistas, que pleiteavam a participação do parlamentar fluminense e do presidente em exercício da legenda, Valdir Raupp, das costuras ministeriais e eleitorais. Nesta segunda-feira, outras duas reuniões de emergência devem ocorrer no Palácio do Planalto.

O dia de reuniões começou ainda no voo que trouxe Temer a Brasília. Antes de embarcar, ele tentou amenizar a crise. “Não é A nem B ou C, nem sou eu quem vai dizer se o partido vai para um lado ou para outro. É a convenção nacional que decide para onde vai o PMDB”, disse. Na aeronave, ele acertou com Raupp o tom a ser adotado com a presidente. Às 18h15, o vice-presidente entrou no Palácio da Alvorada para o encontro com Dilma.

Ao todo, foram duas horas de reunião, que também contou com o ministro da Casa Civil, Aloizio Mercadante. Ela se colocou a disposição do PMDB para acertar uma saída para os impasses nas alianças regionais, mas cobrou do PMDB que controle a rebelião na Câmara até a volta da viagem ao Chile para a posse de Michele Bachelet, o retorno está programado para a quarta-feira, mas pode ser antecipado. Ela ainda acenou com uma nova reunião até o fim da semana, para tratar da reforma ministerial.

De fora

Nesta segunda-feira, a presidente terá reuniões com Raupp e os presidentes da Câmara, Henrique Eduardo Alves (RN), e do Senado, Renan Calheiros (AL), e o senador Eunício Oliveira (PMDB-CE). Além de mais um ministério para os peemedebistas, os maiores conflitos entre PT e PMDB estão na definição de palanques de cinco estados: Rio de Janeiro, São Paulo, Ceará, Paraná e Rio Grande do Sul. A movimentação de Dilma, no entanto, mostra que o Planalto segue com a estratégia de isolar Eduardo Cunha de qualquer decisão referente à reforma ou às composições estaduais.

A guerra entre Cunha e o Planalto azedou de vez desde o fim de janeiro, quando a presidente sugeriu que um senador peemedebista ficasse à frente de um ministério comandado por um peemedebista da Câmara, a oferta do Ministério do Turismo a Vital do Rego (PB) foi repetida ontem. Os deputados, que já estavam insatisfeitos, entenderam que perderiam mais espaço no governo. Cunha, reuniu outros descontentes com as relações com o Planalto e criou o blocão para marcar posição na Casa.

Revolta

Os rebeldes do PMDB questionam a autonomia do partido dentro do governo. O fato de a presidente ter escolhido apenas o vice-presidente, Michel Temer, como interlocutor do partido desanimou os parlamentares. A desconfiança é de que, ao discutir apenas com Temer, a presidente tenha mais facilidade para colocar panos quentes na situação.

Por isso, a tentativa do Planalto de isolar Eduardo Cunha deve ter um teste de fogo na Câmara dos Deputados logo na sessão de amanhã. Parlamentares do blocão prometem aprovar a criação de uma comissão especial para investigar as denúncias de recebimento de propinas por funcionários da Petrobras na Holanda. Além disso, ainda está marcada a votação do texto-base do Marco Civil da Internet.

Votação fatiada do Marco Civil

Sem conseguir conter a revolta do PMDB, o governo pode começar a colher os frutos desses atritos com mais uma derrota nas votações da Câmara dos Deputados. A expectativa é que os mais de 200 parlamentares que aderiram ao blocão, grupo de insatisfeitos com as relações com o Planalto, sigam o líder peemedebista, Eduardo Cunha (RJ), na votação do Marco Civil da Internet. O PMDB é o partido que mais tem resistências ao projeto. O principal ponto de tensão é a neutralidade da rede, defendida pelo Planalto e duramente criticada pelo partido aliado. O governo defende que a regra atual garante aos internautas acesso irrestrito rede, sem diferenciar a velocidade de conexão de acordo com o tipo de conteúdo. Já o PMDB alega que o item fere a liberdade das empresas e usuários.

A proposta está na pauta da Casa desta semana. A estratégia do governo é colocar o texto-base para apreciação e deixar os destaques para análise posterior. A ministra de Relações Institucionais, Ideli Salvatti, tem defendido que, se não houver consenso, a matéria deve ser decidida no voto. Inicialmente, o objetivo da ministra poderia ser favorável ao governo, que, até a rebelião ser deflagrada, tinha o apoio da maioria das legendas para emplacar o projeto.

Encarado como uma resposta as denúncias de espionagem, o texto foi aperfeiçoado e desde o último trimestre do ano passado o governo negocia com as legendas para votar a matéria. O Planalto quer aprovar o projeto antes de abril, quando ocorre uma conferência internacional sobre governança na internet em São Paulo. (GC)

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.