• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Sérgio Guerra » Uma despedida multipartidária da política nacional e local Lideranças políticas de diversas siglas e de várias partes do país estarão no velório de Sérgio Guerra

Júlia Schiaffarino

Publicação: 07/03/2014 08:05 Atualização: 07/03/2014 09:58

Sérgio Guerra era visto como um político que transcendeu as relações de sua legenda. Foto: Ines Campelo/DP/D.A Press (Ines Campelo/DP/D.A Press)
Sérgio Guerra era visto como um político que transcendeu as relações de sua legenda. Foto: Ines Campelo/DP/D.A Press

Está marcado para as 11h de hoje, no plenário da Assembleia Legislativa de Pernambuco, o velório do deputado federal Sérgio Guerra (PSDB-PE). O parlamentar faleceu ontem, aos 66 anos, vítima de infecção pulmonar. A despedida ao tucano deve reunir nomes de peso da política nacional e local, muitos dos quais adversários. “As relações de Sérgio Guerra transbordavam o PSDB. Independentemente de afinidades políticas, esperamos uma homenagem suprapartidária”, disse o vice-presidente nacional da sigla, Bruno Araújo.

Entre os tucanos que confirmaram presença estão o senador e presidenciável Aécio Neves; os líderes do PSDB no Senado, Aloysio Nunes, e na Câmara, Antônio Imbassahy; o governador de Roraima, José Anchieta; e deputados federais e senadores tucanos que virão de outros estados. No campo socialista vão ao velório o governador de Pernambuco e também presidenciável, Eduardo Campos, o pré-candidato ao governo do estado, Paulo Câmara, e o prefeito do Recife, Geraldo Julio.

Tucanos e petebistas também comparecerão. Entre eles, o senador e líder do PT no Senado, Humberto Costa, e o senador Armando Monteiro (PTB), pré-candidato ao governo de Pernambuco contra o candidato do socialista e ex-aliado Eduardo Campos. O senador Jarbas Vasconcelos está de férias em Lisboa, e só retorna no domingo. A previsão é que esses nomes comecem a chegar à Assembleia até as 12h, tornando inevitáveis os encontros multipartidários à porta do Legislativo. Prefeitos de interior do estado também marcarão presença. “Sérgio tinha muitas bases eleitorais”, disse Araújo.

Sérgio Guerra estava internado no hospital Sírio Libanês, em São Paulo, há 21 dias para tratar da infecção. “As informações médicas eram de que a infecção estava sendo debelada, mas, nas últimas 48 horas, o quadro regrediu”, falou o ex-presidente do PSDB no estado, Evandro Avelar. O parlamentar sofria de câncer pulmonar. A doença havia sido descoberta em setembro de 2012. Guerra faleceu no mesmo dia e mês de morte de outra liderança nacional do PSDB, o ex-governador de São Paulo, Mário Covas, que morreu em 6 de março de 2001. O ministro do Esporte, Aldo Rebelo (PCdoB), representará o governo federal no velório.

Saiba mais

Setembro de 2012
O deputado federal Sérgio Guerra, que era diabético, precisou ir para o hospital com crise de hipoglicemia e os médicos decidiram fazer exames de rotina. Em um deles foi identificada uma mancha pequena no pulmão. O diagnóstico foi câncer.

Novembro de 2012
Para tratar a doença, Guerra decidiu se submeter a um tratamento experimental. Os resultados foram positivos e os últimos exames indicaram que o câncer estava sob controle.

Março de 2014
Há vinte dias Sérgio Guerra foi para o hospital para avaliações de rotina. Na ocasião foi identificada uma pneumonia e aconselhado o internamento. A infecção progrediu e ele precisou ser transferido para a UTI, onde faleceu.

3h - O corpo de Sérgio Guerra deveria sair do aeroporto de Guarulhos, em São Paulo

6h - Previsão de chegada do corpo em Recife, de onde segue para a Assembleia Legislativa de Pernambuco.

11h - Tem início o velório no plenário do legislativo estadual e será aberto ao público

16h - O caixão com o corpo de Sérgio Guerra segue para o cemitério Morada da Paz, em Paulista, onde será cremado

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.