Pernambuco.com



  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

DF » Bancada ruralista critica declarações de ministro sobre confusão do MST

Correio Braziliense

Publicação: 15/02/2014 10:35 Atualização:

Deputados federais ligados ao agronegócio criticaram ontem as declarações dadas pelo ministro-chefe da Secretaria Geral da Presidência, Gilberto Carvalho, culpando a Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF) pelas agressões ocorridas durante a marcha do 6º Congresso do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), na quarta-feira. Segundo o ministro, que participou do “ato político” promovido pelo movimento na quinta, a PM agiu com base em uma “informação errada”, o que teria provocado a confusão na qual 30 policiais e 12 manifestantes ficaram feridos.

Para o coordenador da Frente Parlamentar da Agricultura (FPA), deputado Luiz Carlos Heinze (PP-RS), o governo não deveria ter recebido os representantes do MST na manhã de quinta-feira. “Eu lamento que esse tipo de atitude tenha partido de um ministro de Estado. Na verdade, é espantoso que, depois de toda a confusão que ocorreu, o governo ainda chame esses caras para conversar e tenha a capacidade de colocar a culpa nos policiais”, disse o deputado. Heinze afirmou ainda que Carvalho deveria ser repreendido por Dilma Rousseff pelas declarações. “Nós ficamos preocupados. Se ele não estava falando em nome da presidente, ela deveria chamar a atenção dele”, opinou.

Já o deputado Ronaldo Caiado (DEM-GO) disse que Carvalho cometeu uma injustiça contra a PMDF. “A postura desse ministro tem realmente o desqualificado para o exercício do cargo. Além de estimular a desordem, ele ainda tenta incriminar as pessoas que estavam ali para fazer a segurança do Palácio do Planalto. Ele faltou com a verdade e foi injusto com a polícia”, disse ele, acrescentando que prepara uma nota de repúdio às declarações de Carvalho. “Ele fez uso da máquina para beneficiar as próprias posições políticas, além de promover a desobediência civil”, acusou Caiado.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »