• (3) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Só no primeiro dia de funcionamento » José Dirceu consegue R$ 100 mil de vaquinha em site de amigos petistas Quantia recebida pelo ex-ministro foi depositada no primeiro dia do site criado para ajudá-lo

Correio Braziliense

Publicação: 14/02/2014 08:11 Atualização: 14/02/2014 12:39

Página na internet já arrecadou 10% da multa devida à Justiça pelo mensaleiro foto: Apoiozedirceu.com/REPRODUÇÃO DA INTERNET (Apoiozedirceu.com/REPRODUÇÃO DA INTERNET)
Página na internet já arrecadou 10% da multa devida à Justiça pelo mensaleiro foto: Apoiozedirceu.com/REPRODUÇÃO DA INTERNET

O ex-ministro da Casa Civil José Dirceu arrecadou quase R$ 100 mil no primeiro dia de funcionamento do site lançado por amigos petistas e parentes para ajudá-lo a pagar a multa de R$ 971 mil, decorrente da condenação no julgamento do mensalão. O valor foi angariado até as 19h de ontem, segundo o coordenador jurídico do PT, Marco Aurélio Carvalho. Ele acredita que a quantia total será levantada em poucos dias. “Pelo que ele representa para a militância do PT e para a população brasileira, não temos dúvida de que conseguirá até mais de R$ 1 milhão”, disse.

 

O site Apoio Zé Dirceu mostrava, ontem à noite, o valor arrecadado de R$ 96.686. “No site, só aparecem as doações feitas no horário bancário, até as 16h”, explicou Carvalho, para quem o primeiro dia de arrecadação foi positivo. “Se levarmos em conta os sites criados para Delúbio Soares (ex-tesoureiro do PT) e José Genoino (ex-deputado pelo PT-SP), o valor inicial de Dirceu está na média, já chega a 10% da multa”, destacou.

Genoino e Delúbio já pagaram suas respectivas multas. O ex-parlamentar, que cumpre prisão domiciliar, conseguiu mais de R$ 700 mil para quitar a infração de R$ 667 mil. Delúbio, por sua vez, recebeu R$ 1 milhão em doações. Com a quantia, pagou a multa de R$ 466 mil e doou a sobra para o ex-deputado João Paulo Cunha (PT-SP), preso na semana passada, que deve fazer o pagamento de R$ 372 mil na próxima segunda-feira.

Recursos
Se, de um lado, parte dos condenados da Ação Penal 470 busca arrecadar dinheiro para pagar as multas, de outro, réus viram mais uma vez seus recursos serem rejeitados pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Na sessão de ontem, os ministros negaram o pedido de quatro condenados que pleiteavam o direito a um novo julgamento. Por maioria, o Supremo reiterou que os embargos infringentes são cabíveis somente nos casos em que o réu tenha recebido pelo menos quatro votos pela absolvição.

O STF firmou também o entendimento de que não cabem infringentes em relação ao placar da dosimetria, que é o calculo do tamanho da pena. A decisão foi tomada durante a análise de recursos apresentados pelos ex-dirigentes do Banco Rural José Roberto Salgado e Vinicius Samarane, pelo publicitário Ramon Hollerbach e pelo advogado Rogério Tolentino, ex-sócio do empresário Marcos Valério. Todos estão presos, os três primeiros em Minas Gerais, e o último no Complexo Penitenciário da Papuda, em Brasília.

Esta matéria tem: (3) comentários

Autor: MARCOS SOUSA
Olha já procurei a opinião de várias tendências, direita, esquerda... Não consigo entender o que está ocorrendo no Brasil. O cara condenado pelo STF tem ajuda para pagar multa. Eu sou Cidadão honesto, também quero ajuda. Por favos alguém crie um site para mim. Quero ajuda também. | Denuncie |

Autor: zé carlos araújo
Vou criar também pra mim uma vaquinha, pelo menos sou trabalhador honesto! | Denuncie |

Autor: Glauro Campello
Curioso não ter comentarios em uma materia como essa. Sera medo da retaliação das gangs do PT? ROUBOU dinheiro publica TEM SIM, que ser preso como um bandido qualquer. Pior ainda, quando foi eleito pela crença do povo de estar colocando um "cidadão" para representa-lo. Uma vergonha esse partido, o PT | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.