• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Palácio do Campo das Princesas » Resgate da história no centro do poder Palácio das Princesas será reaberto com o resgate da originalidade na maioria das dependências

Rosália Rangel

Publicação: 13/02/2014 08:11 Atualização: 13/02/2014 08:13

Prédio que sedia o governo há dois séculos ficou fechado por dois anos para reforma foto: Nando Chiappetta/DP/ D. A PRESS (Nando Chiappetta/DP/ D. A PRESS)
Prédio que sedia o governo há dois séculos ficou fechado por dois anos para reforma foto: Nando Chiappetta/DP/ D. A PRESS

Em pouco mais de dois anos, a história do Palácio do Campo das Princesas foi redescoberta. Tempo suficiente para arquitetos, restauradores e trabalhadores da construção civil devolverem ao antigo prédio, que há quase 200 anos abriga a sede do poder no estado, seu estilo original. Amanhã, o Palácio reabre suas portas. A reforma ficou pronta a tempo de o governador Eduardo Campos (PSB) despachar nas novas instalações antes de deixar o cargo no início de abril para se dedicar à pré-campanha para presidente da República.

No gabinete totalmente restaurado, localizado no primeiro andar do prédio, Eduardo vai tomar decisões antes de partir em busca da consolidação de seu projeto nacional. Entre elas, a escolha do candidato do PSB que irá disputar a eleição estadual, caso o cronograma para esta decisão se estenda até a próxima semana. Em abril, com a saída de Eduardo, o vice-governador João Lyra Neto (PSB) assumirá o comando do estado até a chegada do novo “ocupante” do Palácio, em 2014.

Na coordenação da obra, o arquiteto Dinauro Esteves contou que todos os ambiente foram restaurados com o cuidado de trazer de volta os detalhes originais. Muitos deles escondidos em razão das muitas reformas feitas no prédio ao longo dos anos. Ele cita como exemplo a tonalidade das cores usadas nas paredes. “Identificamos 21 camadas de tintas que foram descobertas em um processo de decapagem”, disse. Ele explicou que o amarelo da fachada do Palácio é o tom original e não tem qualquer vinculação com o amarelo do PSB (cor do partido do governador), como, segundo ele, chegou a ser especulado. “Não foi capricho de ninguém. Foi uma constatação”, justificou.

A estrutura do prédio é formada por três pavimentos. Do total de 56 cômodos, somente a cozinha, banheiros e copas foram mordenizados. As paredes dos banheiros receberam revestimento neutro e piso em mármore branco. “Usamos material contemporâneo para não competir com o ambiente do palácio”, frisou Dinauro. Nos demais ambientes, todas as características foram preservadas, incluindo o mobiliário e os quadros.

Nessa primeira etapa da reforma, será entregue apenas o prédio sede. O anexo 1, onde vai funcionar a assessoria jurídica, deverá ficar pronto em abril. A terceira e última parte da obra (recuperação dos anexos 2, 3 e 4) e dos jardins (do paisagista Burle Marx) ainda não tem data definida de conclusão. A reabertura do Palácio será às 18h, em solenidade comandada por Eduardo Campos e a primeira-dama, Renata Campos. Todos os governadores do Nordeste foram convidados.

Saiba mais

O novo Palácio do Campo das Princesas

Prédio sede

Térreo

Recepção - ornamentada por uma escada monumental ladeada por dois elevadores antigos que foram totalmente restaurados.

Secretarias:

Governo, Imprensa e Casa Militar

Sala de monitoramento

Área administrativa

Primeiro andar

Salão das Bandeiras

Gabinete de trabalho do governador

Sala de videoconferência

Quatro secretarias (ainda não definidas)

Segundo andar

Salão Nobre (ladeado pelos salões dos Embaixadores e Embaixatrizes)

Salão dos Banquetes

Cozinha

Ala residencial (três suítes, uma sala de estar, uma sala de refeição)

Valor total do investimento:

R$ 31 milhões incluindo a restauração dos prédios anexos e dos jardins.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.