Pernambuco.com



  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Tom de campanha » Dilma: adversários são "caras de pau" Críticas feitas na noite da última segunda-feira, em São Paulo, foram repetidas ontem em ato no Mato Grosso

Publicação: 12/02/2014 07:47 Atualização:

Dilma disse que o agronegócio venceu no país e que setor é uma demonstração de
Dilma disse que o agronegócio venceu no país e que setor é uma demonstração de "produtividade na veia" foto: Roberto Stuker Filho/PR

Um dia depois de chamar adversários de “pessimistas” e “caras de pau” durante o aniversário de 34 anos do PT, em São Paulo, a presidente Dilma Rousseff levou o mesmo tom de campanha para um ato oficial. Ao falar sobre a abertura da safra agrícola nacional, em Lucas do Rio Verde (MT), Dilma afirmou que os pessimistas serão derrotados e, em defesa de seu projeto econômico, disse que o governo “sobe um Himalaia” diariamente.

Momentos antes, a presidente já tinha pilotado uma colheitadeira e saudava a safra nacional, que deve atingir 196 milhões de toneladas, de acordo com os produtores rurais. “É a certeza de que nós temos competência, capacidade. E que aqueles pessimistas de sempre, eles serão derrotados por essa força enorme que emana do nosso povo”, disse Dilma a uma plateia formada por cerca de 2 mil fazendeiros e empresários do agronegócio.

A presidente também se defendeu das críticas do governador de Pernambuco e pré-candidato do PSB à Presidência, Eduardo Campos, que disse que o Brasil parou no governo da petista. “Não há e não pode haver paralisia, nós somos um país que não pode se contentar com o que já fez.”

Ao chegar ao evento ao lado do governador Silval Barbosa (PMDB), Dilma ouviu vaias. Porém, o protesto era contra o governador, que voltou a ser vaiado quando discursou. Em seu discurso, Silval Barbosa afirmou que o estado “não passará vergonha” devido a atrasos nas obras da Copa do Mundo. O governador pode desistir de concorrer ao Senado para concluir o mandato e as obras.

A presidente foi alvo de um protesto de funcionários dos Correios, que queixam-se da política de saúde dos servidores. “Ei, Dilma, olha pros Correios!”, gritavam os servidores públicos. O Planalto informou que recebeu dos funcionários uma carta sobre o tema, que será encaminhada à presidência dos Correios.

Ao lado de produtores agropecuários, como a senadora Katia Abreu (PMDB-TO) e o senador Blairo Maggi (PR-MT), Dilma chegou a dizer que “o agronegócio venceu” no país e que o setor era uma demonstração de “produtividade na veia”. Dilma também fez questão de comparar investimentos entre seu governo e o ano final de Fernando Henrique Cardoso. “A gente esquece as coisas. Sabe quanto era o total de recursos de crédito para agricultura na safra 2002/2003? O que foi realizado: foram R$ 27 bilhões. R$ 27 bilhões hoje é quase todo o programa de armazenagem. Nesta safra, nós nos comprometemos com R$ 136 bilhões. E dissemos o seguinte “Se gastar mais, tem mais”, disse Dilma.

Saiba mais

Críticas à economia

Eduardo Campos

Há a manutenção de um modelo econômico calcado em desonerações tributárias para estímulo ao consumo

Até 2010 o crescimento do Brasil estava na casa dos 4% e a agora a média não chega a 2%

Sucateamento da Eletrobras (em 2010 valia R$ 32 bilhões, hoje vale R$ 8 bilhões)

A crise de energia está criando um gargalo na infraestrutura brasileira

Falta estimular a microgeração e reduzir o preço da energia

Aécio Neves

A presidente fala de um país “que, infelizmente, não é o nosso”

O governo Dilma vai terminar seu último ano de mandato lutando e contendo preços como de combustíveis, transportes, tarifas de energia, para não ultrapassar o teto da meta

O Brasil continua a ser um país em que há uma desconfiança generalizada devido à maquiagem para se alcançar o superavit primário e o saldo mínimo na balança comercial

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »