• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Para retirar partido do foco » Aécio isenta o PSDB e afirma que partido não está envolvido nas denúncias da PGR Senador Aécio Neves diz que acusações contra o deputado e ex-governador Eduardo Azeredo não envolvem a legenda

Leonardo Augusto -

Publicação: 12/02/2014 07:14 Atualização:

Na reunião dessa terça-feira da Executiva do PSDB, comandada por Aécio, foi aprovada resolução sobre as alianças que serão feitas nos estados foto: Ed Alves/CB/D.A Press	
 (Ed Alves/CB/D.A Press	)
Na reunião dessa terça-feira da Executiva do PSDB, comandada por Aécio, foi aprovada resolução sobre as alianças que serão feitas nos estados foto: Ed Alves/CB/D.A Press

O presidente nacional do PSDB, senador Aécio Neves (MG), tentou nessa terça-feira retirar o partido do foco da ação movida pela Procuradoria Geral da República (PGR) contra o deputado federal da legenda Eduardo Azeredo (MG), por peculato e lavagem de dinheiro no período em que governou Minas Gerais (1995 a 1998). Na sexta-feira, a PGR pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) 22 anos de prisão para Azeredo. “Não é uma questão que envolve o partido. Não tem ninguém do partido envolvido nessa questão. É respeitar a decisão do STF", afirmou Aécio, ao sair de reunião da Executiva Nacional do partido, em Brasília. O senador negou que o pedido de condenação de Azeredo tenha sido discutido no encontro.

Pré-candidato à Presidência da República, Aécio voltou ontem a atacar a presidente Dilma Rousseff, sua rival na disputa para o governo federal, e a cúpula do PT. Durante as comemorações do aniversário de 34 anos da legenda, na noite de segunda-feira, em São Paulo, Dilma chamou seus adversários de pessimistas, “caras de pau”. "Assistimos ali, de forma patética, a uma sucessão de neologismos absolutamente desencontrados que remontam aos mais gloriosos tempos dos aloprados", afirmou o tucano.

Para Aécio, o partido da presidente vive um momento conturbado. "Infelizmente acho que o PT protagonizou não uma festa, um evento partidário, mas assistimos ali a um partido à beira de uma crise de nervos", disse. Além de Dilma, o presidente nacional do PT, Rui Falcão, atacou os prováveis adversários da presidente na eleição deste ano. Sem citar nomes, Falcão criou dois termos para se referir a eles: "neopassadista" e "novo-velhista".

Segundo Aécio, “é lamentável que o presidente de um partido que está no governo redija um documento de sete laudas e não dê uma palavra em relação à gravíssima crise de energia, sobre os direitos trabalhistas dos médicos cubanos ou em relação ao estado de calamidade que tomou conta da Petrobras, ou sobre a crise de confiança que se abateu sobre o país", afirmou o senador.

No encontro de ontem, integrantes da cúpula do PSDB aprovaram resolução que concede à Executiva Nacional a última palavra em relação às alianças estaduais que deverão disputar o próximo pleito. "É uma medida preventiva. É um sinal claro: o PSDB tem uma prioridade hoje que supera todas as outras, que é eleger o próximo presidente da República", afirmou Aécio. "Não vamos admitir que localmente quadros do PSDB de alguma forma apoiem a candidatura de outro partido", acrescentou.

Mal súbito

O deputado Eduardo Azeredo chegou a anunciar que faria na tarde de ontem um pronunciamento da tribuna da Câmara sobre a denúncia da Procuradoria Geral da República em que é acusado de peculato e lavagem de dinheiro. No entanto, por volta das 17h, desistiu de falar. No gabinete do parlamentar, a informação era de que Azeredo teria se sentido mal. Hoje deve ser publicado no Diário Oficial do Judiciário a abertura de prazo de 15 dias para que o deputado apresente sua defesa ao Supremo Tribunal Federal.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.