• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Equipamentos do ex-diretor » Itália compartilhará dados sobre Pizzolato com o Brasil Polícia Federal receberá informações encontradas na casa onde Henrique Pizzolato se escondia. Representantes dos dois países se reúnem hoje para estudar quebra de sigilo

Estado de Minas

Publicação: 10/02/2014 06:54 Atualização:

A Itália vai compartilhar com a Polícia Federal os dados dos dois computadores e um tablet apreendidos durante a operação que resultou na prisão de Henrique Pizzolato, na quarta-feira, em Maranello, no Norte do país. Os equipamentos ainda não foram examinados pelas autoridades e o seu conteúdo ainda é desconhecido.

Policiais acreditam que podem incluir os rastros dos crimes cometidos por Pizzolato, como a falsificação de documentos, de como movimentou dinheiro ou obteve ajuda durante o período em que esteve foragido na Europa. Em novembro do ano passado, surgiram rumores de que Pizzolato teria fugido para a Itália com um pen drive com um dossiê com dados da campanha presidencial de Lula em 2002, o que não foi confirmado até agora.

“Nosso trabalho ficou focado nos documentos falsos que encontramos com ele. Agora, vamos trabalhar na questão dos computadores”, disse o coronel Francesco Fallica, diretor da divisão de cooperação internacional da polícia italiana. O número 1 da Interpol na Itália vai se reunir hoje com o adido da Polícia Federal em Roma, Disney Rosseti, para discutir uma estratégia para quebrar o sigilo dos dados. Segundo Fallica, os brasileiros devem participar da análise dos arquivos porque é possível que eles guardem informações muito específicas. Ainda não está claro de que maneira isso vai ocorrer.

Pela lei brasileira, a verificação de dados em um computador, como e-mails armazenados, depende de um juiz autorizar a quebra de sigilo. Uma precaução que deve ser discutida, segundo o chefe da Interpol na Itália, é se a PF vai precisar ou não de autorização judicial no Brasil antes de ter acesso aos dados para poder resguardar a validade de algum eventual dado útil a uma investigação em curso.

Pedido negado

Pizzolato está preso na penitenciária de Modena. Na sexta-feira, a Corte de Apelação de Bolonha rejeitou seu pedido para responder à ação de extradição em liberdade por considerar que havia risco de fuga. Além da ação de extradição para cumprir pena de 12 anos e sete meses da condenação do mensalão, ele vai responder por uso de documento falso na Itália. A PF também instaurou inquérito no Brasil para apurar o caso. A mulher de Pizzolato, Andrea Eunice Haas, teria deixado na sexta-feira o apartamento do engenheiro Fernando Grando, último esconderijo do casal na Europa. Grando, que é engenheiro da equipe Ferrari de Fórmula 1, foi procurado e confirmou apenas que a tia deixou o imóvel. Ele não quis conceder entrevista.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.