• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Articulações » Jarbas segue cauteloso sobre a disputa para o Senado Depois de receber o sinal verde de Eduardo, peemedebista ficou de consultar aliados sobre candidatura

Aline Moura - Diario de Pernambuco

Publicação: 28/01/2014 07:34 Atualização:

Jarbas Vasconcelos foi escalado pelo PMDB para debater aliança e terá nova conversa com Eduardo Campos foto: Arthur Monteiro/AGÊNCIA SENADO (Arthur Monteiro/AGÊNCIA SENADO)
Jarbas Vasconcelos foi escalado pelo PMDB para debater aliança e terá nova conversa com Eduardo Campos foto: Arthur Monteiro/AGÊNCIA SENADO

Cinco dias depois de ter recebido aval do PMDB para tratar com o governador Eduardo Campos (PSB) de sua candidatura à reeleição, o senador Jarbas Vasconcelos decidiu retardar a decisão. Após encontro no fim de semana, quando ouviu do socialista que vai apoiá-lo em qualquer circunstância, o senador não deu resposta definitiva e ficou de bater o martelo nesta semana em encontro com o cacique socialista, que é presidenciável. Se dependesse apenas de sua vontade, Jarbas disputaria novamente o Senado, onde ganhou destaque nacional nos últimos sete anos. Mas ele disse a alguns amigos, no último fim de semana, que não teria opinião formada sobre a eleição.

Até o anúncio, Jarbas levará em conta não apenas as pesquisas que lhe foram apresentadas pelo sociólogo Diego Brandy - um dos principais nomes de confiança de Eduardo. Mas também as conversas com lideranças políticas do PSB, a exemplo do vice-governador João Lyra e do ex-ministro Fernando Bezerra Coelho, para colher outras impressões sobre a disputa.

Jarbas faz parte do grupo que defende a indicação de um nome político com experiência para concorrer ao governo do estado, mas Eduardo não fechou questão sobre o assunto. Esse seria, aliás, um dos principais receios do senador. Entrar numa campanha difícil como a do Senado, de acordo com os peemedebistas, não é uma escolha tão simples para Jarbas, especialmente sem ter na cabeça de chapa um nome com o qual tenha muita afinidade. Nomes como os de Roberto Magalhães e Marco Maciel, ambos do DEM, apesar de até então terem sido bem sucedidos nas urnas em disputas majoritárias, sofreram derrotas para o Senado, em 1986 e 2010, respectivamente.

Fernando Bezerra Coelho conversou com Jarbas sobre o assunto, mas ele mesmo ainda não sabe qual será o seu papel nesse xadrez político. O ex-ministro mantém uma agenda estadual - hoje estará ao lado do prefeito Geraldo Julio (PSB) na inauguração da primeira Upinha 24 horas - e amanhã viajará para São Paulo, onde discutirá a situação daquele estado com o deputado federal Márcio França. Lá, no estado paulista - o maior colégio eleitoral do Brasil - há um impasse entre o PSB e a Rede, de Marina Silva, sobre se apoiam ou não a reeleição de Geraldo Alckmin. Marina também vai discutir o assunto com o governador, no próximo dia 4 de fevereiro, em Brasília, e no Recife, no dia 7. Ela vem ao estado após os integrantes locais da Rede discutirem, no dia 1º, as estratégias para Pernambuco em 2014.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.